Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Paraíso, paz e sofrimento no 5. Ciclo de Requiem

Paraíso, paz e sofrimento no 5. Ciclo de Requiem

Imagem © Câmara Municipal de Coimbra

Os compositores Brahms, Mozart e Jenkins vão estar em destaque na quinta edição do Ciclo de Requiem que o Coro Sinfónico Inês de Castro organiza de 25 de março a 14 de abril, em Coimbra.

A iniciativa, que conta com cinco concertos e a participação de quatro coros e três orquestras, tem «características únicas no panorama nacional da música coral sinfónica», destaca a autarquia conimbricense, que financia o ciclo.

Além de um concerto centrado no Paraíso, a organização focou-se na representação do sofrimento do ser humano, espelhado no requiem de Rossini, e no requiem contemporâneo em torno da paz, explicou o diretor artístico do Coro Sinfónico Inês de Castro, Artur Pinho Maria, à agência Lusa.

O "Stabat mater", de Gioacchino Rossini, é o protagonista do primeiro concerto, agendado para a antiga igreja do convento S. Francisco, às 21h30, com o coro e solistas do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro e a orquestra Filarmonia das Beiras.

A 1 de abril o programa é dedicado ao canto gregoriano, com "In paradisum", pelo grupo coral gregoriano "Psalterium", e no dia seguinte a Orquestra do Norte e o Coro Sinfónico Inês de Castro interpretam no grande auditório do convento de S. Francisco uma das «melhores e mais famosas obras» de Mozart, "Requiem em Ré m, K. 626".

O ciclo prossegue no dia 8, com o coro e orquestra da Universidade do Minho, que a par do coro do Conservatório de Vigo apresentam "The armed man", de Karl Jenkins, conhecida como "Missa pela Paz".

A iniciativa termina a 14 de abril com um requiem de Johannes Brahms, interpretado pelo Coro Sinfónico Inês de Castro, acompanhado pela Orquestra de Espinho.

"Requiem", termo de origem latina que significa «descanso», é a primeira palavra do clássico cântico de entrada na missa dos defuntos - «requiem æternam dona eis, Domine» («dai-lhes, Senhor, o descanso eterno»).



 

SNPC
Publicado em 11.03.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos