Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa preocupado com «mentalidade machista» na sociedade e «servidão» das mulheres na Igreja

«Preocupa-me que continue a persistir uma certa mentalidade machista, inclusive nas sociedades mais avançadas, nas quais se consumam atos de violência contra a mulher», sublinha o papa no prólogo do livro “Diez cosas que el papa Francisco propone a las mujeres”.

Na introdução ao volume das Publicações Claretianas, que vai ser lançado a 7 de março, em Madrid, o papa assinala que as mulheres são «objeto de maus-tratos, tráfico e lucro, assim como de exploração na publicidade e na indústria do consumo e da diversão».

«Preocupa-me igualmente que na própria Igreja o papel de serviço a que todo o cristão é chamado deslize, no caso da mulher, algumas vezes, para papéis que são mais de servidão do que de verdadeiro serviço», aponta Francisco.

A autora, María Teresa Compte Grau, diretora do curso de Doutrina Social da Igreja na Universidade Pontifícia de Salamanca, analisa o magistério do papa sobre a mulher, bem como as linhas que ele abriu para conseguir «uma presença mais incisiva» na Igreja.

O livro centra-se no envolvimento das mulheres em organismos diocesanos de tomada de decisões, bem como em comunidades e famílias cristãs, onde subsistem culturas de domínio do homem.

A obra detém-se igualmente, em continuidade com o ensinamento do papa S. João Paulo II, na aposta de Francisco no diálogo com os feminismos, valorizando as suas contribuições para a emancipação da mulher, sem que isso impeça uma perspetiva crítica.

«Creio que é necessária uma renovada investigação antropológica que incorpore os novos progressos da ciência e das atuais sensibilidades culturais para aprofundar cada vez mais não só a identidade feminina, como também masculina, para assim servir melhor o ser humano no seu conjunto», declara Francisco.

O papa faz votos de que o livro gere «uma maior sensibilidade e reconhecimento da missão e vocação da mulher» e lembra que Maria, mãe de Jesus, é modelo de mulher e ícone da Igreja, chamada a ser «Mãe que ama todos com ternura e carinho».



 

Ricardo Benjumea
In Alfa y Omega
Trad.: SNPC
Imagem: D.R.
Publicado em 28.02.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos