Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa Francisco pede Igreja pobre e que não brilhe por si própria

Imagem Papa Francisco | Vaticano, 24.11.2014 | L'Osservatore Romano | D.R.

Papa Francisco pede Igreja pobre e que não brilhe por si própria

Quando a Igreja é humilde e pobre, então é «fiel» a Cristo, caso contrário é tentada a brilhar com «luz própria», em vez de dar ao mundo a luz de Deus, afirmou hoje o papa Francisco na missa a que presidiu, no Vaticano.

A homilia do papa baseou-se na leitura bíblica do Evangelho proclamado nas missas desta segunda-feira (cf. artigos relacionados), em que Jesus elogia o gesto de uma viúva pobre que oferece ao tesouro do templo todo o dinheiro que tinha para viver.

«Esta viúva não era importante, o seu nome não aparecia nos jornais. Ninguém a conhecia. Não tinha louvores, nada, nada. Não brilhava com a sua própria luz», lembrou Francisco, citado pela Rádio Vaticano.

«Todos os serviços que fazemos na Igreja são para nos ajudar nisto, a receber aquela luz. E um serviço sem essa luz não está bem: faz com que a Igreja se torne ou rica, ou poderosa, ou que procure o poder, ou que erre o caminho, como aconteceu tantas vezes na história, e como acontece nas nossas vidas, quando nós queremos ter uma outra luz, que não é a do Senhor, uma luz própria», sublinhou.

Para Francisco, a Igreja «é fiel» quando é «humilde» e «pobre», bem como quando «confessa as suas misérias», pois todos os cristãos as têm.

«Peçamos a esta viúva, que está seguramente no Céu, para que nos ensine a ser Igreja assim, afastando da vida tudo o que possuímos: nada para nós, tudo para o Senhor e para o próximo. Humildes. Sem nos vangloriarmos de ter luz própria, procurando sempre a luz que vem do Senhor», apontou o papa.

No domingo, também no Vaticano, aquando da canonização (declaração de santidade) de quatro católicos italianos e dois indianos, Francisco louvou a sua dedicação «ao serviço dos últimos, assistindo pobres, doentes, idosos e peregrinos», reflexo do «amor incondicional a Deus».

«Quantos na Igreja somos chamados a sermos pastores, não podemos distanciarmo-nos deste modelo, se não queremos tornar-nos mercenários. A este respeito, o povo de Deus possui um faro infalível no reconhecimento dos bons pastores e em distingui-los dos mercenários», frisou.

 

Alessando De Carolis / Rádio Vaticano
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Publicado em 24.11.2014

 

 
Imagem Papa Francisco | Vaticano, 24.11.2014 | L'Osservatore Romano | D.R.
Peçamos a esta viúva, que está seguramente no Céu, que nos ensine a ser Igreja assim, afastando da vida tudo o que possuímos: nada para nós, tudo para o Senhor e para o próximo. Humildes. Sem nos vangloriarmos de ter luz própria
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos