Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa Francisco evocou vítimas do atentado em Paris na missa da manhã

Imagem Paris, 7.1.2015 | D.R.

Papa Francisco evocou vítimas do atentado em Paris na missa da manhã

As vítimas do atentado cometido ontem em Paris, dentro e fora da redação do jornal satírico “Charlie Hebdo”, foram evocadas esta manhã pelo papa Francisco na missa a que presidiu no Vaticano.

«O atentado de ontem em Paris faz-nos pensar em tanta crueldade, crueldade humana; em tanto terrorismo, seja no terrorismo isolado, seja no terrorismo de Estado. A crueldade de que o homem é capaz», afirmou o papa no início da celebração, refere a Rádio Vaticano.

«Rezemos, nesta missa, pelas vítimas desta crueldade. Tantas. E peçamos também pelas pessoas cruéis, para que o Senhor mude os seus corações», acrescentou Francisco.

Já ontem o papa tinha exprimido, através de uma declaração emitida pela Sala de Imprensa da Santa Sé, «a mais firme condenação» pelo «horrível atentado» que causou 12 mortos, entre jornalistas e polícias, e «lançou na consternação toda a sociedade francesa, perturbando profundamente todas as pessoas amantes da paz, bem para lá das fronteiras da França».

Francisco «participa na oração pelo sofrimento dos feridos e das famílias dos defuntos» e «exorta todos a oporem-se com todos os meios à difusão do ódio e de toda a forma de violência, física e moral, que destrói a vida humana, viola a dignidade das pessoas, mina radicalmente o bem fundamental da convivência pacífica entre as pessoas e os povos, não obstante as diferenças de nacionalidade, de religião e de cultura», assinala o comunicado.

Qualquer que seja a motivação, prossegue a nota do gabinete de imprensa, «a violência homicida é abominável, nunca é justificável, a vida e a dignidade de todos sejam garantidas e protegidas decididamente, toda a instigação ao ódio seja rejeitada, seja cultivado o respeito pelo outro».

O papa «exprime a sua proximidade, a sua solidariedade espiritual e o seu apoio a todos aqueles que, segundo as suas diferentes responsabilidades, continuam a empenhar-se com constância pela paz, a justiça e o direito», para «curar em profundidade as fontes e as causas do ódio», num «momento doloroso e dramático, em França e em cada lugar do mundo marcado por tensões e violências».

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 08.01.2015

 

 
Imagem Paris, 7.1.2015 | D.R.
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos