Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa Francisco celebrou missa no epicentro do tufão Yolanda e destacou fé cristã de quem recomeça após perder pessoas e bens

Papa Francisco celebrou missa no epicentro do tufão Yolanda e destacou fé cristã de quem recomeça após perder pessoas e bens

Imagem D.R.

Francisco sublinhou hoje, nas Filipinas, que Deus faz-se presente na adversidade através da capacidade de doação e generosidade de quem ajuda as pessoas em necessidade, e destacou a fé cristã de quem perdeu pessoas próximas e bens.

As palavras do papa foram proferidas na missa a que presidiu em Tacloban, epicentro do tufão que em novembro de 2013 originou mais de seis mil mortos e devastou a região.



Imagem D.R.

«Jesus vai à sempre à nossa frente, e quando passamos por alguma cruz, Ele passou primeiro», disse, depois de deixar de lado os papéis com a homilia que tinha preparado.

«Se hoje todos nós nos reunimos aqui, 14 meses depois do tufão Yolanda, é porque temos a segurança de que não nos vamos enganar na fé», afirmou o papa, que partilhou uma «confidência»: «Quando vi desde Roma esta catástrofe, senti que tinha de estar aqui».



Imagem D.R.

«"Padre", pode dizer-me um de vós, "a mim [Deus] defraudou-me porque perdi a minha casa, a minha família, perdi o que tinha, estou doente...". É verdade isso que me dizes, e respeito os teus sentimentos. Mas eu olho para Ele, aqui, cravado, e desde aqui Ele não nos defrauda. Ele foi consagrado Senhor nesse trono, e desde aqui [a cruz] passou por todas as nossas calamidades. Jesus é o Senhor, e é Senhor desde a cruz», prosseguiu Francisco.



Imagem D.R.

«Muitos de vós perderam tudo. Eu não sei o que vos dizer. Ele sim, sabe o que dizer-vos. Muitos de vós perderam parte da família - apenas guardo silêncio. Acompanho-os com o meu coração em silêncio. Muitos de vós perguntaram-se, olhando para Cristo, "porquê, Senhor?". E a cada um o Senhor responde no coração desde o seu coração. Eu não tenho outras palavras para vos dizer; olhemos para Cristo, Ele é o Senhor, e Ele compreende-nos porque passou por todas as provas que nos acontecem.»



Imagem D.R.

Referindo-se a uma imagem da Virgem em que uma criança se agarra a ela, o papa pediu um momento de silêncio: «Olhemos para a nossa mãe, e, como a criança que está em baixo [na imagem], agarremo-nos a ela. Com o coração, digamos-lhe, mãe. Em silêncio, façamos esta oração, cada um diga o que sente...».

«Não estamos sós. Temos uma mãe, temos Jesus, nosso irmão maior. Não estamos sós. E também temos muitos irmãos, que neste momento de catástrofe vieram ajudar-nos. E também nós nos sentimos mais irmãos, que nos ajudámos uns aos outros.»



Imagem D.R.


«Isto é a única coisa que consigo dizer-vos. Perdoem-me se não tenho outras palavras. Mas tenham a segurança de que Jesus não defrauda. Tenham a segurança de que o amor e a ternura da nossa mãe não defrauda. E, agarrados a ela como mãe, e com a força de Jesus nosso Senhor, sigamos em frente. E, como irmãos, caminhemos juntos.»



Imagem D.R.

O vento forte no recinto onde a missa foi celebrada causou a queda de uma estrutura que causou a morte de uma voluntária de 27 anos.

Após a eucaristia, Francisco visitou a residência episcopal de Palo, que foi parcialmente destruída pelo tufão Yolanda, tal como a maior parte das estruturas principais da arquidiocese, entre as quais a catedral e os vários seminários.



Imagem D.R.

Na residência dos bispos, o papa encontrou-se com alguns dos sobreviventes do tufão Yolanda, com quem, segundo a agenda, deveria ter almoçado.

Depois de sair do episcopado, Francisco abençoou, do exterior, um centro de apoio a pessoas pobres que tem o seu nome, seguindo depois para a catedral de Palo, onde, de acordo o programa, se encontraria com padres, religiosos, religiosas, seminaristas e outras vítimas do furacão.



Imagem D.R.

Devido às condições climatéricas adversas, especialmente a chuva e o vento forte, o papa dirigiu uma breve saudação a quem o esperava, antes de regressar a Manila, quatro horas mais cedo do que o previsto, para que a viagem de avião evitasse o pico da tempestade.

No discurso que deveria ter lido na sé, Francisco agradecia a Deus por aqueles que trabalharam «para retirar os escombros, visitar os doentes e os moribundos, confortar os atribulados e enterrar os mortos» , vítimas do tufão Yolanda: «A bondade e a ajuda generosa recebida de muitíssimas pessoas de todo o mundo são um sinal real de que Deus nunca nos abandona».



Imagem D.R.

«Hoje, a partir deste lugar que experimentou um sofrimento e uma carência humana tão profundos, peço que se faça mais pelos pobres. Peço sobretudo que os pobres do país inteiro sejam tratados de forma equitativa, que a sua dignidade seja respeitada, que as abordagens políticas e económicas sejam justas e inclusivas, que as oportunidades de emprego e educação sejam desenvolvidas e que sejam removidos os obstáculos na prestação dos serviços sociais», refere a intervenção que o papa deixou na catedral.



Imagem D.R.

Francisco dirigia também uma palavra de apreço aos jovens: «Espero que sempre vos deis conta de que a verdadeira felicidade provém de ajudar os outros, oferecendo-nos nós mesmos em sacrifício por eles com misericórdia e compaixão. Então sereis uma força poderosa para a renovação da sociedade, não só na obra de reconstrução dos edifícios, mas também, e muito mais importante, na edificação do Reino de Deus, reino de santidade, justiça e paz na vossa terra natal».

O programa oficial da visita do papa às Filipinas não inclui mais nenhuma atividade neste sábado.



Imagem D.R.

No domingo, às 10h30 locais (2h30 da madrugada em Portugal continental), Francisco avista-se com líderes religiosos das Filipinas na Universidade de S. Tomás, em Manila, antes de se encontrar com jovens no campo desportivo da instituição.

Cinco horas depois, o papa preside à missa, terminando desta forma a agenda de domingo.

Na segunda-feira, pelas 9h45 (1h45 em Portugal), está prevista a cerimónia de despedida, na base aérea de Villamor, em Manila, e quinze minutos depois Francisco parte para Roma, onde, segundo o programa, chegará às 17h40 (16h40 em Portugal).



Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

Imagem D.R.

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 18.01.2015

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos