Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa fala de homens casados, celibato, diaconado feminino, crises de fé, críticas e populismos

Papa fala de homens casados, celibato, diaconado feminino, crises de fé, críticas e populismos

Imagem Papa Francisco | Ariccia, Itália | © L'Osservatore Romano

O papa continua a realizar até sexta-feira os seus exercícios espirituais de início da Quaresma, juntamente com colaboradores da Cúria Romana, em Ariccia, próximo do Vaticano, mas a sua voz ressoa desde ontem a partir da Alemanha, onde o semanário "Die Zeit" publicou na internet uma entrevista por ele concedida no fim de fevereiro e que está hoje nas bancas.

«Sou pecador e falível» constituem as palavras de Francisco que o jornal escolheu para título da conversa. O papa afirma que experimenta «momentos vazios», de dificuldade. «Eu rezo e Ele responde-me. Mais cedo ou mais tarde. Por vezes é preciso permanecer seguro numa crise», até porque «uma fé que não vive uma crise permanece infantil».

Para Francisco as vocações sacerdotais constituem um «problema grave» e «a Igreja terá de o resolver»: «O Senhor disse: rezai! Isto é o que falta: a oração. E falta o trabalho com o jovens, que procuram orientação».

A propósito da baixa taxa de natalidade, afirmou: «Onde não há jovens homens, também não há sacerdotes. Este é um problema que deveremos enfrentar no próximo sínodo. E não tem nada a ver com o proselitismo, o proselitismo não traz vocações».



«Desde que fui eleito papa não perdi a minha paz. Posso compreender que a minha maneira de fazer não agrade a alguns, e isso para mim é absolutamente bem. Cada um pode ter a sua opinião. É legítimo, humano e enriquece»



Ainda sobre a falta de padres, o papa considerou que será necessário refletir se a ordenação de "viri probati", ou seja, homens com sólida vida familiar, na sociedade e na Igreja, é «uma possibilidade» em certas situações, e acrescentou: «Devemos também estabelecer que tarefas poderão assumir, por exemplo em comunidades particularmente longínquas».

Depois de sublinhar que tornar o celibato sacerdotal um opção «não é uma solução», Francisco recordou que em relação ao diaconado feminino criou uma comissão «para aprofundar o tema, não para abrir uma porta».

As declarações contra Francisco que foram anonimamente espalhadas em Roma receberam também mereceram um comentário: «O dialeto romano dos manifestos era maravilhoso. Não foram escritos por um homem qualquer das ruas, mas por uma cabeça inteligente».

«Desde que fui eleito papa não perdi a minha paz. Posso compreender que a minha maneira de fazer não agrade a alguns, e isso para mim é absolutamente bem. Cada um pode ter a sua opinião. É legítimo, humano e enriquece», continuou.



«Pense-se em 1933, após a queda da República de Weimar. A Alemanha estava desesperada, enfraquecida pela crise de 1929, e então chegou um homem que disse: eu posso, eu posso, eu posso! Chamava-se Adolf. Convenceu o povo de que ele podia. O populismo precisa sempre de um Messias»



E sobre si, o que diz Francisco? «Não digo que sou um pobre diabo, mas sou uma pessoa normal, que faz aquilo que pode. É assim que me sinto».

«[Sinto que] não me fazem justiça com as expetativas», confessa, e diz que as pessoas «exageram»: «Não se esqueça que a idealização de uma pessoa é uma forma subtil de agressão». E acrescenta: «Quando me idealizam sinto-me agredido».

No domínio da atualidade política internacional, o papa assinalou que «o populismo é mau e acaba mal», especialmente quando é entendido, à semelhança do que acontece na América do Sul, como «usar o povo».

«Pense-se em 1933, após a queda da República de Weimar. A Alemanha estava desesperada, enfraquecida pela crise de 1929, e então chegou um homem que disse: eu posso, eu posso, eu posso! Chamava-se Adolf. Convenceu o povo de que ele podia. O populismo precisa sempre de um Messias. E também de uma justificação: nós protegemos a identidade do povo», apontou.

Pronunciando-se acerca da investigação teológica, Francisco é claro: «Os medos fecham as portas. Ao contrário, a liberdade abre as portas».

Sobre as próximas viagens internacionais, na agenda estão, além de Fátima, Índia, Bangladesh e Colômbia, com o Egito em estudo. Gostaria de ir ao Sudão do Sul mas não acredita que possa ser possível, e o mesmo diz dos dois Congos e da Rússia, porque gostava de visitar igualmente a Ucrânia.



 

Andrea Galli (Avvenire), Sergio Centofanti (Rádio Vaticano)
Edição: SNPC
Publicado em 09.03.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos