Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa desafia a «revolução de amor e ternura» e diz que Igreja nem sempre soube enfrentar «crimes» de abusos

O papa fez hoje, no Vaticano, o balanço da sua visita à Irlanda, realizada sábado e domingo, para o Encontro Mundial das Famílias, tendo vincado que o mundo precisa «de uma revolução de amor».

Na audiência geral semanal, Francisco mencionou o sofrimento causado no país por «várias formas de abusos, inclusive da parte de membros da Igreja, e do facto de que as autoridades eclesiásticas, no passado, nem sempre souberam enfrentar de maneira adequada esses crimes». De seguida apresentamos alguns dos excertos da intervenção.

«No passado fim de semana, realizei uma viagem à Irlanda para tomar parte no Encontro Mundial das Famílias. Estou seguro de que o vistes através da televisão. A minha presença queria sobretudo confirmar as famílias cristãs na sua vocação e missão. As milhares de famílias – esposos, avós, filhos – que convergiram para Dublin, com toda a variedade das suas línguas, culturas e experiências, foram sinal eloquente da beleza do sonho de Deus para toda a família humana. Sabemo-lo, o sonho de Deus é a unidade, a harmonia e a paz, nas suas famílias e no mundo, fruto da fidelidade, do perdão e da reconciliação que Ele nos deu em Cristo.

No mistério do seu amor, Ele chama as famílias a participar nesse sonho e a fazer do mundo uma casa onde ninguém está sozinho, ninguém seja não querido, ninguém seja excluído; pensai bem nisto, o que Deus quer é que ninguém esteja só, ninguém seja não querido, ninguém seja excluído. Por isso era muito apropriado o tema deste Encontro Mundial: “O Evangelho da família, alegria para o mundo. (…)

Dirigindo-me às autoridades, no castelo de Dublin, reiterei que a Igreja é família de famílias e que, como um corpo, apoia estas suas células no seu indispensável papel para o desenvolvimento de uma sociedade fraterna e solidária.



«Escutámos testemunhos muito tocantes de famílias que sofreram por causa das guerras, famílias renovadas pelo perdão, famílias que o amor salvou da espiral das dependências, famílias que aprenderam a usar bem telemóveis e “tablets” e a dar prioridade ao tempo passado em conjunto»



Verdadeiros “pontos cardeais” destas jornadas foram os testemunhos de amor conjugal dados por casais de todas as idades. As suas histórias recordaram-nos que o amor do matrimónio é um dom especial de Deus, a cultivar a cada dia na “igreja doméstica” que é a família. Mostraram-nos também como a fé atua na vida diária, “à volta da mesa da casa”, e difunde a sua beleza na grande comunidade da Igreja e da sociedade. Quanto precisa o mundo de uma revolução de amor, de ternura. E esta revolução começa no coração da família. (...)

Momento culminante da minha visita foi a grande festa com as famílias, sábado à noite, no estádio de Dublin, seguida no domingo pela missa no parque Phoenix. Na vigília escutámos testemunhos muito tocantes de famílias que sofreram por causa das guerras, famílias renovadas pelo perdão, famílias que o amor salvou da espiral das dependências, famílias que aprenderam a usar bem telemóveis e “tablets” e a dar prioridade ao tempo passado em conjunto. E foram sublinhados o valor da comunicação entre gerações e o papel específico que cabe aos avós na consolidação dos laços familiares e transmitir o tesouro da fé. Nesta cultura do descarte, os avós são muitas vezes afastados, isto é horrível de se dizer, mas ao contrário os avós são a sabedoria, a memória das famílias e devem transmitir esta sabedoria e memória aos filhos e aos netinhos.

Na manhã de domingo peregrinei até ao santuário mariano de Knock, tão querido ao povo irlandês. Aí, na capela construída no lugar de uma aparição da Virgem, confiei à sua proteção materna todas as famílias, em particular as da Irlanda. E ainda que a minha viagem não compreendesse uma visita à Irlanda do Norte, dirigi uma saudação cordial ao seu povo e encorajei o processo de reconciliação, pacificação, amizade e cooperação ecuménica.



«Nós esquecemos muitas famílias que seguem em frente com fidelidade e coragem, esquecemo-lo porque hoje é moda, ao contrário, falar de divórcios e separações, e isso é uma coisa horrível; eu respeito tudo mas isso não é o ideal, o ideal não é a separação mas uma família unida!»



Esta minha visita à Irlanda, além de grande alegria, devia também assumir a dor e a amargura pelos sofrimentos causados no país por causa de várias formas de abusos, inclusive da parte de membros da Igreja, e pelo facto de as autoridades eclesiásticas, no passado, nem sempre terem sabido enfrentar de maneira adequada esses crimes. Um sinal profundo foi deixado pelo encontro com alguns sobreviventes; e em várias ocasiões pedi perdão ao Senhor por esses pecados, pelo escândalo e o sentimento de traição que desencadearam.

Os bispos irlandeses empreenderam um percurso sério de purificação e reconciliação com aqueles que sofreram abusos, e com a ajuda das autoridades nacionais estabeleceram um conjunto de normas severas para garantir a segurança dos jovens; depois, no meu encontro com os bispos, encorajei-os no seu esforço para remediar as falhas do passado com honestidade e coragem, confiando nas promessas do Senhor e contando com a fé profunda do povo irlandês, para inaugurar um tempo de renovação da Igreja na Irlanda. Na Irlanda há fé, há gente de fé com grandes raízes, sabíeis? Há poucas vocações ao sacerdócio, e porquê? Por causa dos escândalos e dos grandes problemas. Por isso rezemos para que o Senhor envie novos sacerdotes e reforce a fé deste povo, dirijamos uma Avé Maria à Senhora de Knock por isso. Senhor Jesus, enviai-nos sacerdotes santos!

Queridos irmãos e irmãs, o Encontro Mundial das Famílias em Dublin foi uma experiência profética, confortante, de muitas famílias comprometidas no caminho evangélico do matrimónio e da vida familiar; famílias discípulas e missionárias, fermento de bondade, santidade, justiça e paz. Nós esquecemos muitas famílias que seguem em frente com fidelidade e coragem, esquecemo-lo porque hoje é moda, ao contrário, falar de divórcios e separações, e isso é uma coisa horrível; eu respeito tudo mas isso não é o ideal, o ideal não é a separação mas uma família unida! O próximo Encontro Mundial decorrerá aqui, em Roma, em 2021; preparai-vos! Confiemos todas à proteção da Sagrada Família de Jesus, Maria e José, para que nas suas casas, paróquias e comunidades possamos ser verdadeiramente “alegria para o mundo”.»














 

Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Imagem: Papa Francisco | Dublin, Irlanda, 25.8.2018 | Joe Giddens/PA via AP | D.R.
Publicado em 29.08.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos