Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Papa confia «caminho da beleza» a santuários e diz que conhecer pensamento e costumes dos outros é enriquecedor

Papa confia «caminho da beleza» a santuários e diz que conhecer pensamento e costumes dos outros é enriquecedor

Imagem Ivan Rupnik | Basílica da Santíssima Trindade, Fátima | ribeiroantonio/Bigstock.com

«Conhecer o pensamento e os costumes de outros enriquece-nos e estimula-nos a aprofundá-los em nós mesmos para poder entabular um diálogo sério e frutuoso com o meio que nos rodeia», sublinha o papa.

Na carta por ocasião do primeiro centenário da Pontifícia Universidade Católica do Peru, divulgada hoje pela Sala de Imprensa da Santa Sé, Francisco frisa que «ensinar e aprender é um processo lento e minucioso, que necessita atenção e amor constante, pois está-se a colaborar com o Criador a dar forma à obra das suas mãos».

«Ser evangelizado para evangelizar» constitui o objetivo primário «de uma instituição universitária católica»: «A aprendizagem de conhecimentos não basta, requer-se levá-los à vida, sendo fermento no meio da massa».

Francisco acentuou a importância da coerência cristã: «Somos discípulos missionários e estamos chamados a converter-nos no mundo num evangelho vivo. Através do exemplo da nossa vida e das nossas boas obras estaremos a testemunhar Cristo, para que o coração do homem possa mudar e transformar-se numa criatura nova.

A Universidade Católica do Peru alcançará a sua finalidade se «levar ao tecido social essas doses de profissionalismo e humanidade, que são próprias do cristão que soube procurar com paixão essa síntese entre a fé e a razão», afirmou o papa.

 

O caminho da beleza nos santuários

Também neste sábado Francisco lembrou que entre os propósitos dos santuários católicos está a sua «valorização cultural e artística», de acordo com a «"via pulchritudinis" [caminho da beleza], enquanto modalidade peculiar da evangelização da Igreja».

Na carta em que transfere as competências relativas aos santuários da Congregação do Clero para o Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, o papa lembra que «muitos santuários foram a tal ponto percecionados como parte da vida das pessoas, das famílias e das comunidades que plasmaram a identidade de gerações inteiras, até incidirem na história de algumas nações».

«Estes lugares, apesar da crise de fé que atinge o mundo contemporâneo, são ainda percecionados como espaços sagrados» em direção aos quais os peregrinos se dirigem «para encontrar um momento de pausa, de silêncio e de contemplação na vida muitas vezes frenética dos nossos dias», salienta o documento.

O texto assinala que «um desejo oculto faz surgir em muitos a nostalgia de Deus», e nesse sentido «os santuários podem ser um verdadeiro refúgio para se redescobrir a si próprio e encontrar a necessária força para a própria conversão».

«Caminhar para o santuário e participar na espiritualidade que estes lugares exprimem são já um ato de evangelização, que merece ser valorizado pelo seu intenso valor pastoral», salienta Francisco.



 

Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos