Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Questões de fé para quem crê e não crê: Os escritos "canónicos"

Imagem Lucas, evangelista | Andrea Mantegna | D.R.

Questões de fé para quem crê e não crê: Os escritos "canónicos"

Não compreendo porque é que alguns livros são considerados como apócrifos. O que é que permite dizer que um livro é inspirado ou não por Deus? Parece-me que os apócrifos foram excluídos da Bíblia porque se apoiavam em lendas e davam asas à imaginação. O Génesis e o Apocalipse não fazem o mesmo?

Tecnicamente falando, trata-se da "canonicidade" da Sagrada Escritura, questão que atormentou a Igreja dos primeiros séculos e que estava ligada à necessidade de elaborar uma unidade de medida teológica - daí a palavra "cânone", que remete, em grego, para a régua que permite efetuar medições, uma espécie de metro primordial - para evidenciar qual é a Palavra de Deus autêntica colocada por escrito.

Esta verificação não podia ser unicamente histórica e literária, como refere a questão, ao supor que certos livros chamados apócrifos, ou seja, "ocultos", e por isso relegados para as margens da comunidade eclesial, foram rejeitados porque se apoiavam em lendas e deixavam espaço importante à imaginação.

Se nesse caso se tratasse de aplicar um metro ou um cânone de medida, poder-se-ia, com justiça, questionar outras páginas tidas por "canónicas" que comportam elementos míticos (mesmo se esses elementos foram rearranjados), servindo-se da imaginação através de narrativas ou parábolas para transmitir a verdade.

A medida também não é a da espiritualidade: os apócrifos judeus e cristãos comportam páginas de forte conotação mística, com grande moralidade e ascese (como as famosas "narrativas gnósticas").

A historicidade também não é discriminatória em si: os próprios Evangelhos canónicos misturam a história e a fé; quanto aos evangelhos apócrifos, incluem evocações históricas provavelmente autênticas sobre Jesus de Nazaré (como é o caso de algumas palavras de Cristo conservadas no "Evangelho de Tomé").

Trata-se, na realidade, de uma escolha concretizada segundo critérios teológicos e eclesiais rigorosos, com a implicação de questões problemáticas, como a inspiração divina das Escrituras, a Tradição da Igreja, a presença do Espírito Santo como intérprete vivo da Palavra de Deus.

Observemos, antes de mais, como é que a Igreja chegou à definição do cânone bíblico. O problema já se tinha colocado no judaísmo para as Escrituras hebraicas. A diáspora judaica tinha acrescentado aos livros bíblicos escritos em hebraico sete outras obras compostas ou vindas até nós em língua grega (Tobias, Judite, primeiro e segundo livro dos Macabeus, Sabedoria, Sirácida [Eclesiástico] e Baruc), bem como algumas passagens gregas situadas nos livros hebraicos de Ester e de Daniel. Trata-se do famoso "cânone alexandrino", adicionado à antiga versão grega da Bíblia em Alexandria, no Egito.

Este cânone alargado foi definitivamente acolhido pela Igreja católica no Concílio de Trento (1546), enquanto que as Igrejas protestantes optaram pelo cânone exclusivamente "hebraico". Algumas décadas depois, um teólogo, Sisto de Siena, qualificará estes sete livros de "deuterocanónicos" (segundo cânone), ao passo que os protestantes os definiriam como "apócrifos", relegando-os para uma categoria inferior, extra-canónica.

Surgem duas interrogações. Em primeiro lugar no plano histórico: que cânone a Tradição cristã antiga acolheu? Das 350 citações veterotestementárias [do Antigo Testamento] presentes no Novo Testamento, pelo menos 300 vêm diretamente da versão grega antiga, dita dos "Setenta". Pode deduzir-se que os autores do Novo Testamento consideravam inspirados os sete livros deuterocanónicos pertencentes à Bíblia.

Esta convicção foi partilhada por toda a Igreja dos três primeiros séculos, à exceção de um autor do séc. II, Militão de Sardes, fiel ao cânone hebraico. Um autor tão importante como Orígenes, do séc. III, afirmava explicitamente a necessidade de utilizar igualmente os livros deuterocanónicos como Palavra de Deus.

Esta harmonia foi estilhaçada no séc. IV, quando alguns Padres da Igreja - Atanásio, Cirilo de Jerusalém, Hilário de Poitiers, e sobretudo Jerónimo, o tradutor latino da Bíblia - regressaram ao cânone hebraico, à "Hebraica veritas", às raízes hebraicas das Escrituras, como dizia S. Jerónimo. Acabou por ser a primeira versão que prevaleceu na Igreja, apesar de algumas tensões que foram resolvidas pelo Concílio de Trento para a Igreja católica, e de outra maneira pela Reforma.

Daqui surge a segunda interrogação, decisiva: sobre que fundamento um livro é reconhecido como inspirado por Deus, e portanto "canónico" e fonte da revelação divina?

Na perspetiva católica, um livro é canónico quando a Tradição da Igreja, iluminada e guiada pelo Espírito Santo para salvaguardar o património da revelação, acolheu esse livro como inspirado por Deus, e assim se manteve no seu ensinamento, para além de algumas hesitações temporais. A fé eclesial, na sua globalidade e na sua continuidade, com a presença do Espírito Santo nela, torna-se a pedra angular teológica.

A posição luterana diverge: a Escritura não pode ser interpretada contra Cristo mas para Cristo, escrevia Lutero; das duas, uma: ou bem que a Escritura se refere a Cristo, ou bem que não pode ser considerada como verdadeira Escritura. Esta via cristológica é importante mas comporta um risco porque tende a colocar de lado a lenta progressão histórica das Escrituras, a partir do Antigo Testamento, através do longo processo de evolução composto por múltiplas ramificações, até à tensão messiânica final e, portanto cristológica.

Por seu lado, Calvino considera como sinal da canonicidade de um livro bíblico o testemunho direto do Espírito Santo no interior do crente, explicitado e confirmado pelos frutos espirituais que ele produz. Reconhecendo que o Espírito ilumina os fiéis, esta visão arrisca-se a ser demasiado "subjetiva" e reter apenas as páginas "espirituais".

 

Card. Gianfranco Ravasi
Biblista, presidente do Pontifício Conselho da Cultura
In " 150 questions à la foi", ed. Mame
Trad.: Rui Jorge Martins
Publicado em 15.01.2015

 

 
Imagem Lucas, evangelista | Andrea Mantegna | D.R.
A historicidade também não é discriminatória em si: os próprios Evangelhos canónicos misturam a história e a fé; quanto aos evangelhos apócrifos, incluem evocações históricas provavelmente autênticas sobre Jesus de Nazaré
Trata-se de uma escolha concretizada segundo critérios teológicos e eclesiais rigorosos, com a implicação de questões problemáticas, como a inspiração divina das Escrituras, a Tradição da Igreja, a presença do Espírito Santo como intérprete vivo da Palavra de Deus
Na perspetiva católica, um livro é canónico quando a Tradição da Igreja, iluminada e guiada pelo Espírito Santo para salvaguardar o património da revelação, acolheu esse livro como inspirado por Deus, e assim se manteve no seu ensinamento, para além de algumas hesitações temporais
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos