Observatório da Cultura
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Igreja e Cultura

«Cabe à Igreja interrogar a cultura e as artes com aquela pergunta inquetanta: de que queremos ser salvos (curados)?»

O que é mais importante (criar, manter, repensar) na relação da Igreja com a Cultura?

Maldição e culpa são os temas que nestes tempos sombrios marcam a experiência quotidiana dos europeus (dos que habitam a cultura ocidental). A maldição dos ditos "mercados financeiros" que nos escravizam e a culpa (dos outros, é claro!) que procuramos insistentemente como bodes expiatórios de uma racionalidade a que não conseguimos aceder. Neste contexto, as artes continuam maioritariamente à procura de exprimir buscas hedonistas individualistas sem futuro. Cabe à Igreja interrogar a cultura e as artes com aquela pergunta inquietante: "de que queremos ser salvos (curados)?" - propondo a convicção de que ninguém se salva (cura) sozinho. A urgência fundamental centra-se hoje na revalorização dos laços comunitários, no recentrar da pessoa (experiência individual livre e irrepetível) cujo horizonte de felicidade e alegria só pode existir na relação de comunhão.

 

Este depoimento integra a edição de novembro de 2011 do "Observatório da Cultura" (n.º 16). Leia mais respostas à pergunta.

 

Jorge Wemans
Diretor da RTP-2
© SNPC | 14.11.11

Foto
Capela Árvore da Vida
Foto: Nelson Garrido

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página