Observatório da Cultura
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Igreja e Cultura

Igreja não se deve deixar «contaminar pela cultura do slogan»

O que é mais importante (criar, manter, repensar) na relação da Igreja com a Cultura?

A cultura não reconhece o limite da margem ou de periferia, e, como tal, favorece a consciência da totalidade que inscreve no humano o inseparável. Criar, manter e repensar, configura uma trilogia de alteridade que constrói necessariamente um vasto território em que a Igreja e as culturas apresentam o humano na sua verdade e beleza. Para a Igreja, na sua relação com a cultura, é importante conservar a sua intrínseca unidade e não se deixar contaminar pela cultura do slogan. Um diálogo teimoso e criativo com a pluralidade favorecerá a Igreja e a sua missão no mundo. A Igreja não existe fora do mundo cultural e, por isso, está condenada a viver com a cultura, enquanto realidade histórica.

 

Este depoimento integra a edição de novembro de 2011 do "Observatório da Cultura" (n.º 16). Leia mais respostas à pergunta.

 

P. Duarte Melo
Diretor do Museu Carlos Machado, Ponta Delgada, Açores
© SNPC | 07.11.11

Foto
Capela Árvore da Vida
Foto: Nelson Garrido

 

Ligações e contactos

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página