Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O remorso

Imagem © Dieter Pregizer/Fotolia

O remorso

Agora podemos assassinar, roubar, violar, e todos continuam a dizer: é o mundo, é a vida. Agora somos homens sem remorso e sem pecados. Esta frase forte, mas muito certeira, foi extraída de um conjunto de meditações acompanhadas por versos que o P. David Turoldo (1916-1992) escreveu para uma revista.

Com efeito, nos nossos dias há uma espécie de resignação que nasce do hábito. A televisão enfurece-se até ao sadismo ao mostrar-nos todos os aspetos dos delitos, oferece-nos transmissões cada vez mais violentas e impudicas (e não só no sentido sexual), e nós, lentamente, perdemos a capacidade de nos indignarmos, habituando-nos ao mal como a um café que se toma todos os dias.

A frase «é o mundo, é a vida» torna-se o grande alibi para nos subtrair a todo o juízo moral sério e a todo o compromisso pessoal e social. Assim, cai-se progressivamente no ofuscamento da consciência e na perda do remorso e do sentido do pecado, como diz, justamente, o P. Turoldo.

A extinção do frémito da alma que reage ao mal é, infelizmente, um fenómeno fácil de verificar, como se lê num passo do romance “A feira das vaidades”, do inglês W.M. Thackeray (1811-1863): «Entre todas as faculdades morais, o remorso é a menos ativa, a que com mais facilidade se pode suprimir quando se desperta, sem contar que em muitos nunca se desperta».

 

P. (Card.) Gianfranco Ravasi
Presidente do Pontifício Conselho da Cultura
In "Avvenire"
Trad.: Rui Jorge Martins
Publicado em 05.09.2015

 

 
Imagem © Dieter Pregizer/Fotolia
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos