Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O profeta Oseias, a traição e o amor

Imagem

O profeta Oseias, a traição e o amor

São páginas belíssimas, até na dramaticidade que as envolve. É a história do profeta Oseias, que viveu no século VIII a.C., cuja existência familiar é narrada nos primeiros três capítulos do seu livrinho bíblico, onde, todavia, é transfigurada em símbolo religioso para todo o Israel.

A história é conhecida: o profeta tinha desposado uma ex-prostituta (ou talvez uma sacerdotisa de cultos pagãos da fertilidade); dela havia tido três filhos, mas a mulher tinha-o abandonado. Nesta experiência tormentosa podemos encontrar a relação entre família e misericórdia.

Dois são os perfis que queremos agora descrever. O amor misericordioso que sabe perdoar pode coexistir com o desdém pela ofensa da infidelidade. É isto que brilha no capítulo 2 da confissão de Oseias. Ele, com efeito, apesar de gritar a sua ira e amargura pelo abandono do teto conjugal, sonha que a sua mulher, Gomer, desiludida pelos amantes, retome o seu lugar no lar, agora deserto, com a sua família. Ela, efetivamente, dirá: «Voltarei ao meu primeiro marido, porque eu era outrora mais feliz do que agora». (2, 9). E Oseias estará pronto a perdoar tudo, e com ela quererá celebrar um novo casamento e uma nova lua de mel.

Juntos irão novamente aos lugares da sua juventude, retirar-se-ão para o deserto, abraçar-se-ão os corações: «É assim que a vou seduzir: ao deserto a conduzirei, para lhe falar ao coração [literalmente: sobre o seu coração] (...) Aí, ela responderá como no tempo da sua juventude» (2, 16-17).

Envolvida e comovida por este amor que elimina e perdoa o passado, Gomer repetirá as palavras ternas da intimidade nupcial: «Naquele dia – oráculo do Senhor – ela me chamará: "Meu marido" e nunca mais: "Meu Baal"» (2, 18). E Oseias replicará: «Então, te desposarei para sempre; desposar-te-ei conforme a justiça e o direito, com amor e misericórdia. Desposar-te-ei com fidelidade» (2, 21-22).

O segundo perfil encontra-se em Oseias 11,1-4. Nele entra em ação a misericórdia paterna, que se inclina com ternura sobre o filho, mesmo sendo ele um pouco caprichoso e rebelde. Também neste caso a representação do pai que tem nos braços o seu menino torna-se um símbolo da relação entre Deus e o seu povo.

Eis a pequena cena descrita pelo profeta, onde Deus fala a Efraim, isto é, a Israel: «Entretanto, Eu ensinava Efraim a andar, trazia-o nos meus braços, mas não reconheceram que era Eu quem cuidava deles. Segurava-os com laços humanos, com laços de amor, fui para eles como os que levantam uma criancinha contra o seu rosto; inclinei-me para ele para lhe dar de comer» (11, 3-4).

É fácil intuir a terna solicitude deste pai que, tendo pela mão o filhinho, o ensina a caminhar, o aperta fortemente a si, o eleva até à altura do seu rosto para o impelir a comer, mesmo quando o pequeno não quer saber e é caprichoso.

Este é um pequeno quadro de intimidade familiar que se liga à cena matrimonial anterior e que recorda a todos os esposos e pais a necessidade do amor misericordioso para viver juntos uma experiência nem sempre fácil. Como observava o escritor suíço Max Frisch, falecido em 1991, «no amor não se deve ver um ponto de chegada, nem um apagamento, mas apenas um continuo prosseguir».

 

Card. Gianfranco Ravasi
Presidente do Conselho Pontifício da Cultura
In "Famiglia Cristiana"
Trad.: Rui Jorge Martins
Publicado em 08.05.2016

 

 
Imagem
É fácil intuir a terna solicitude deste pai que, tendo pela mão o filhinho, o ensina a caminhar, o aperta fortemente a si, o eleva até à altura do seu rosto para o impelir a comer, mesmo quando o pequeno não quer saber e é caprichoso
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos