Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O passarinho cego

«Ao pássaro cego é Deus que faz o ninho.» A brevidade desta citação é causada pelo facto de se tratar de um provérbio popular, e o género supõe força expressiva e essencialidade.

O dito provém da cultura arménia, que sofreu o martírio originado por um colossal massacre, infelizmente pouco recordado. Quis evocá-lo para estimular os leitores ao conhecimento de uma cultura perseguida, mas que é capaz de manter bem alta a chama da esperança na Providência divina.

O passarinho cego não consegue procurar os fios de erva para entretecer o seu ninho; será, então, o próprio Deus que lhe preparará uma cavidade na qual pode depor os ovos e alimentar as crias.

Também no Saltério se lê que Deus «dá de comer aos animais e aos filhotes dos corvos, quando gritam» (147, 9).

É esta confiança que torna capazes certas pessoas de ultrapassar sofrimentos enormes e devastadores, como aconteceu ao povo armeno, cujo símbolo é o “khachkar”, uma estela com a cruz impressa. É o símbolo do Cristo crucificado que sofre e tem medo, mas que entrega o seu espírito nas mãos do Pai.

Nós, que muitas vezes nos abatemos ao primeiro obstáculo e em cada pequena provação, devemos redescobrir a coragem da esperança, a serenidade de um pássaro cego que sabe que não é esquecido.


 

P. (Card.) Gianfranco Ravasi
In Avvenire
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Imagem: Khachkar | rparys/Bigstock.com
Publicado em 10.09.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos