Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O passador de fronteiras

Jesus surge, no Evangelho do 23.º Domingo (Marcos 7, 31-37), antes de tudo como o “passador” de fronteiras: caminha com os seus atravessando a Galileia, passando às cidades fenícias de Tiro e Sidon, até à Decápole pagã. O caminho de Jesus, o homem sem limites, é como uma sutura que costura as bordas de uma ferida, à procura dessa dimensão do humano que a todos nos acomuna e que emerge antes de qualquer divisão cultural, religiosa, racial.

Levaram-lhe um surdo-mudo. Um homem aprisionado no silêncio, uma vida reduzida a metade, mas que é levado por uma pequena comunidade de pessoas que lhe querem bem, até àquele mestre estrangeiro, mas para o qual toda a terra estrangeira é pátria.

E pediram-lhe para lhe impor a mão. Mas Jesus faz muito mais. Pertence à pedagogia da atenção a sucessão das palavras e dos gestos. Toma-o, provavelmente pela mão, e leva-o consigo, à parte, longe da multidão, exprimindo-lhe assim uma atenção especial; já não é um dos muitos marginalizados anónimos, agora é o preferido, e o mestre é todo para ele, e começam a comunicar assim, com a atenção, olhos nos olhos, sem palavras. E seguem-se gestos muito corpóreos e ao mesmo tempo muito delicados.

Jesus põe o dedo nos ouvidos do surdo: o toque dos dedos, as mãos que falam sem palavras. Jesus entra numa relação corpórea, não etérea ou afastada, mas como um médico capaz e humano, dirige-se ao que é frágil, toca esses sofrimentos.



Abre-te, como se abre uma porta ao hóspede, uma janela ao sol, como se abre o céu depois da tempestade. Abre-te aos outros e a Deus, e que as tuas feridas de antes se tornem fendas através das quais entra e sai a vida



Depois, com a saliva, toca a sua língua. Gesto íntimo, envolvente: dou-te alguma coisa de meu, qualquer coisa de vital, que está na boca do homem juntamente com a respiração e a palavra, símbolos do Espírito. Evangelho de contactos, de odores, de sabores. O contacto físico não desagradava a Jesus, aliás.

E os corpos tornam-se lugar santo de encontro com o Senhor, e «os sentidos são divinas teclas» (D.M. Turoldo). A salvação passa através dos corpos, não lhes é estranha, nem lhes escapa como lugar do mal, antes são «atalhos divinos» (J.P. Sonnet).

Olhando para o céu, emana um suspiro e diz-lhe «effathá», isto é, abre-te! Em aramaico, no dialeto de casa, na língua do coração; emanando um suspiro que não é um grito que exprime poder, não é um soluço de dor, mas é a respiração calma e humilde da esperança, é o suspiro do prisioneiro (cf. Salmo 102, 21), é a nostalgia da liberdade (cf. Salmo 55, 18).

Prisioneiro com aquele homem impedido, Jesus suspira: Abre-te, como se abre uma porta ao hóspede, uma janela ao sol, como se abre o céu depois da tempestade. Abre-te aos outros e a Deus, e que as tuas feridas de antes se tornem fendas através das quais entra e sai a vida.

Primeiro os ouvidos. E é um símbolo eloquente. Sabe falar apenas quem sabe escutar. Outros erguem barreiras quando falam, e não encontram ninguém.

Jesus não cura os doentes para que se tornem crentes ou se coloquem no seu seguimento, mas para criar seres humanos livres, curados, plenos. A glória de Deus é o homem vivente (cf. Santo Ireneu), o ser humano regressado à plenitude de vida.


 

Ermes Ronchi
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Mike_Kiev/Bigstock.com
Publicado em 06.09.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos