Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O pão da misericórdia

O pão da misericórdia

Imagem D.R.

«"Toma, este é o meu corpo."/ A mãe corta o pão da misericórdia,/ é como se cortasse uma parte de si./ Naquele momento tem piedade de todo o mundo.» (Corrado Alvaro, 1895-1956).

A Igreja das origens, como se sabe, celebrava a Eucaristia no espaço doméstico, na mesa de todos os dias, com as roupas do dia a dia, encastoando de muito evidente o divino na história, a presença de Cristo entre as presenças dos homens e das mulheres.

No gesto simples e amoroso de uma mãe que corta o pão para a sua família, Alvaro vê uma espécie de parábola da última ceia. Nela tinha estado Jesus a partir o pão e a distribuí-lo aos seus discípulos como sinal eficaz de amor. Não por acaso, sobre o vinho do cálice disse: «Este cálice é a nova aliança no meu sangue, que é derramado por vós».

É bela a expressão «pão da misericórdia» usada pelo escritor calabrês: ele é, efetivamente, um sinal vivo e falante da doação que uma mãe faz de si à sua família, «é como se cortasse uma parte de si», e o seu gesto torna-se um símbolo para o mundo inteiro.

Neste dia dedicado ao Corpo do Senhor, aproximemo-nos da Eucaristia como de um gesto de amor, destinado a gerar amor uma vez regressados à quotidianidade da vida. «Uma vez que há um único pão, nós, embora muitos, somos um só corpo» (1 Coríntios 10, 17).



 

Card. Gianfranco Ravasi
Presidente do Conselho Pontifício da Cultura
In "Avvenire"
Trad. / edição: SNPC
Publicado em 14.06.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos