Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O difícil casamento do profeta Oseias

A tradição popular privilegia os meses de primavera e verão para a celebração dos casamentos, e precisamente amanhã ocorre em Inglaterra um dos enlaces mais antecipados do ano. Mas é de uma vocação a um casamento desconcertante que falaremos.

Deus chamou um seu profeta, Oseias (VIII a.C.) a desposar-se com uma prostituta, Gomer bat-Diblaim. Meretriz em sentido estrito ou sacerdotisa dos cultos pagãos da fertilidade praticados pelos naturais da Terra Santa, os cananeus? É difícil dizê-lo.

Todavia, permanece o desconcerto, que aumenta quando - de acordo com uma dupla narração do caso, presente nos capítulos 1-3 do livro do profeta - a mulher, depois de ter dado dois filhos e uma filha a Oseias, abandona a família.

Uma vocação profética com uma situação familiar difícil, infelizmente não rara inclusive nos nossos dias. Não podemos explicar agora o enigma aparente que se esconde sob os nomes dos filhos, escolhidos para nos fazer compreender que a história pessoal de Oseias é, na realidade, exemplar e paradigmática para todo o povo.

Centremo-nos, antes, noutro aspeto desta estranha vivência vocacional. Como se intui no capítulo 2 do seu livro, por um lado Oseias desejava divorciar-se da mulher, despindo-a na praça pública, denunciada pelos próprios filhos; por outro lado, o seu forte ressentimento não consegue extinguir o amor que sente por ela.



No deserto do Sinai tinha-se consumado a traição idolátrica do vitelo de ouro. Mas como Oseias, Deus - apesar de desdenhado - permaneceu enamorado pelo seu povo e não se resignou ao abandono



Eis, então, o solilóquio semelhante a um sonho que Oseias pronuncia, esperando que Gomer, desiludida pelos seus amantes, "regresse" ao caminho de casa. Recorde-se que em hebraico o verbo "shûb", "regressar", significa também "converter-se".

O profeta imagina a cena desse dia tão esperado: voltará a abraçá-la, esquecendo todo o passado, celebrará com ela um novo noivado e depois uma lua de mel com uma viagem aos lugares da sua juventude. «É assim que a vou seduzir: ao deserto a conduzirei, para lhe falar ao coração» (2, 16).

Aqui chegados, devemos realçar o valor universal desta história tão singular e, assim, justificar por que é que o profeta a quis revelar. Sabemos que a Bíblia usa muitas vezes o simbolismo nupcial para descrever a relação entre Deus e o seu povo. Na vocação matrimonial de Oseias pode entrever-se, em filigrana, o comportamento de Israel face ao Senhor.

Com efeito, no deserto do Sinai tinha-se consumado a traição idolátrica do vitelo de ouro. Mas como Oseias, Deus - apesar de desdenhado - permaneceu enamorado pelo seu povo e não se resignou ao abandono.

Por isso quis transformar esse deserto em lugar de intimidade, através da sua palavra, do alimento do maná, do dom da água, da proteção perante as adversidades naturais e os inimigos, da proteção da nuvem, da sua presença na arca sagrada.

Deus espera sempre que a humanidade decida livremente "regressar"-converter-se para recompor um laço de amor. Ele apela a todos os casais em dificuldades na sua vocação matrimonial para imitar o seu compromisso em reconstruir uma harmonia rompida.

Em Jeremias lemos estas ternas palavras de Deus: «Recordo-me da tua fidelidade no tempo da tua juventude, dos amores do tempo do teu noivado, quando me seguias no deserto...» (2, 2).



 

Card. Gianfranco Ravasi
Biblista, presidente do Conselho Pontifício da Cultura
In Famiglia Cristiana
Trad.: SNPC
Imagem: elsar/Bigstock.com
Publicado em 18.05.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos