Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

O Evangelho lê-se do fim

O Evangelho lê-se do fim

Imagem D.R.

Abrem-se, com a leitura da Paixão do Senhor (Mateus 26, 14 - 27, 66), os dias supremos, os dias de que derivam e a que conduzem toda a nossa fé. Dias que fazem ainda apaixonar.

Quereis saber algo de vós e de mim? - pergunta o Senhor. - Dou-vos um encontro: um homem na cruz. A cruz é a imagem mais pura e mais alta que Deus deu de si mesmo. E todavia é uma pergunta permanentemente aberta.

E ainda antes do encontro de Jesus houve outro, mas em baixo. Que cinge uma toalha e se inclina para lavar os pés aos seus. Quem é Deus? O meu lava-pés. De joelhos diante de mim. As suas mãos sobre os meus pés.

Verdadeiramente, como Pedro, gostaria de dizer: deixa, para, não faças assim, é demasiado. E Ele: sou como o escravo que te espera, e no teu regresso te leva os pés. Paulo tem razão: o cristianismo é escândalo e loucura.

Deus é assim: é beijo a quem o trai, não quebra ninguém, quebra-se a si próprio. Não derrama o sangue de ninguém, derrama o próprio sangue. Não pede mais sacrifícios, sacrifica-se a si mesmo. É invertida toda a imagem, todo o medo de Deus. E é isso que nos permite voltar a amá-lo como apaixonados, e não como submissos.



Havia por lá muitas mulheres que observavam ao longe. Naquele olhar, luzente de amor e de lágrimas, naquele agarrar-se com os olhos à cruz, nasceu a Igreja. E renasce a cada dia em quem tem para Cristo, ainda crucificado nos seus irmãos, o mesmo olhar de amor e de dor



A suprema beleza da história aconteceu fora de Jerusalém, sobre a colina, onde o Filho de Deus se deixa pregar, pobre e nu, a um lenho para morrer de amor. Pedra angular da fé cristã é a coisa mais bela do mundo: belo é quem ama, belíssimo quem ama até ao fim.

Compreendeu-o primeiro não um discípulo mas um estrangeiro, o centurião pagão: verdadeiramente este era filho de Deus. Não de um sepulcro que se abre, não de uma fulguração de luz, mas na nudez daquela sexta-feira, vendo aquele homem na cruz, no patíbulo, no trono da infâmia, um verme ao vento, um soldado experimentado na morte diz: verdadeiramente este era filho de Deus. Viu alguém morrer de amor, compreendeu que é coisa de Deus.

Havia por lá muitas mulheres que observavam ao longe. Naquele olhar, luzente de amor e de lágrimas, naquele agarrar-se com os olhos à cruz, nasceu a Igreja. E renasce a cada dia em quem tem para Cristo, ainda crucificado nos seus irmãos, o mesmo olhar de amor e de dor. Que circula nas veias do mundo como uma poderosa energia de Páscoa.

"Do fim", de Jan Twardowski: «Começa da Ressurreição/ Do sepulcro vazio/ Da Nossa Senhora da Alegria/ Então até a cruz se alegrará.../ Não façais de mim uma choramingas/ Diz Nossa Senhora/ Foi assim uma vez/ Agora é diferente/ Começa do sepulcro vazio/ Do sol/ O Evangelho lê-se como as letras hebraicas/ Do fim».



 

Ermes Ronchi
In "Avvenire"
Trad. / edição: SNPC
Publicado em 06.04.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos