Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Novos cardeais nomeados pelo papa Francisco: Periferia e imprevisibilidade

Imagem Papa Francisco e cardeais | D.R.

Novos cardeais nomeados pelo papa Francisco: Periferia e imprevisibilidade

Antes das estatísticas e das análises sobre as percentagens, o sinal de mudança que se verificará no próximo consistório foi claríssimo durante a leitura dos nomes dos novos cardeais, a maior parte absolutamente imprevistos e imprevisíveis. Pastores das periferias do mundo, em muitos casos bispos de dioceses que nunca tinham tido um cardeal.

É o sinal de que o papa Francisco pretende prosseguir o caminho iniciado há um ano: diminuir os purpurados da Cúria do Vaticano (descerão de 30 para 27% a 14 de fevereiro, dia em que serão criados os novos cardeais), pôr fim aos automatismos no que diz respeito às sedes ditas “cardinalícias”, cujo titular receberia o barrete, por tradição não escrita. E sobretudo dar espaço ao Sul do planeta, manifestando cada vez mais a universalidade da Igreja.

A lista surge como uma escolha pessoalíssima do papa: novos cardeais souberam da sua designação pela televisão; o italiano Edoardo Menichelli foi avisado por um amigo e pensou que era uma partida. O antigo arcebispo Luigi de Magistris estava na catedral de Cagliari a confessar os fiéis. Outros só acreditaram, a custo, quando os jornalistas lhes pediam um comentário. Não houve fugas de informação.

É evidente que Francisco deseja redesenhar o futuro conclave, assembleia para a eleição do próximo papa, associando ao colégio cardinalício eleitores que sejam pastores na primeira linha de situações difíceis, em terras de fronteira como Tonga e Myanmar, em regiões atingidas pela violência, como Morelia, no México, em Igrejas pequenas ou que vivem em situação de minoria.

Em Itália, mais uma vez, foram preferidos aos bispos das maiores dioceses, como Turim ou Veneza, os pastores de Igrejas mais periféricas: Menichelli, de Ancona, e Francesco Montenegro, de Agrigento. O primeiro percorreu a diocese ao volante de um velho Fiat Panda e começou, há anos, caminhos de proximidade com situações de fragilidade matrimonial; o segundo é o bispo de Lampedusa, destino da primeira visita do papa Francisco, ilha que se confronta com o drama das imigrações.

Há pouco mais de um ano, Francisco disse a superiores de congregações religiosas: «Estou convencido de uma coisa: as grandes mudanças da história realizaram-se quando a realidade foi vista não do centro, mas da periferia». As novas criações cardinalícias parecem dar corpo a essa convicção.

Os novos 15 cardeais eleitores, com menos de 80 anos, são provenientes de 14 países, que se tornam 18 se se acrescentarem os cinco que, por causa da idade, não têm direito a entrar no conclave. Em caso de eleição de um novo papa, o colégio eleitoral terá menos membros da Cúria do Vaticano e será menos europeu.

A maior parte das novas nomeações pertencem ao hemisfério Sul. Duas em África (Etiópia e Cabo Verde), três na Ásia (Vietname, Myanmar e Tailândia), três na América Latina (México, Uruguai e Panamá) e duas na Oceânia (Nova Zelândia e Tonga). Três destes países terão um cardeal pela primeira vez na história: Cabo Verde, Myanmar e Tonga. O bispo destas ilhas, com 53 anos, será o mais jovem do colégio.

Os Estados Unidos e o Canadá estão fora do elenco, mas a América do Norte já está bem representada e o número dos seus eleitores permanece estável. Permanecem à margem do cardinalato os arcebispos de Chicago e de Madrid, ambos recentemente nomeados pelo papa e considerados próximos da sua sensibilidade. Francisco quis fazer valer para todos, novamente, a regra não escrita de fazer esperar aqueles que têm o predecessor emérito com menos de 80 anos, e portanto ainda votante em caso de conclave.

No conjunto das nomeações, apenas duas emergem em linha com a tradição: a do patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, e Dominique Mamberti, que recentemente ocupou o cargo de prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica, órgão da Cúria da Santa Sé. Esta foi, aliás, a única novidade curial. Os prelados que dentro da estrutura do Vaticano têm direito ao cardinalato obtiveram-no até agora. Todavia, ficaram de fora os titulares dos conselhos pontifícios, que serão objeto de reforma. De fora, contrariamente a uma prática multissecular, ficou o arquivista e bibliotecário da Santa Igreja Romana.

No que diz respeito à presença de congregações religiosas, há um lazarista, um agostiniano e dois salesianos, que passam a ser cinco no colégio cardinalício com direito a voto no conclave.

Seis dos 15 novos cardeais eleitores – Lisboa, Wellington, Ancona, Adis Abeba, Valladolid e Tonga – participaram em outubro no sínodo extraordinário sobre a família. Entre estes, o neozelandês Dew e o italiano Menichelli manifestaram apoio à comunhão das pessoas divorciadas recasadas e ao reconhecimento das uniões homossexuais.

Com estas nomeações, o número de eleitores passa a 125, mais cinco do que o número máximo estabelecido até agora. Mas até fevereiro de 2016 haverá cinco cardeais a completarem 80 anos. Em todo o caso, o papa Francisco pode sempre alterar a norma que impõe o limite de 120 cardeais eleitores de um novo papa.

Os cardeais eleitores criados pelo papa Francisco passarão, a 14 de fevereiro, a ser 31, menos três do que os 34 nomeados por S. João Paulo II, e menos 29 do que as seis dezenas que entraram no colégio cardinalício com Bento XVI.

 

Andrea Tornielli (in "Vatican Insider"), Sandro Magister (in "L'Espresso")
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Publicado em 05.01.2015

 

 
Imagem Papa Francisco e cardeais | D.R.
Há pouco mais de um ano, Francisco disse a superiores de congregações religiosas: «Estou convencido de uma coisa: as grandes mudanças da história realizaram-se quando a realidade foi vista não do centro, mas da periferia». As novas criações cardinalícias parecem dar corpo a essa convicção
A maior parte das novas nomeações pertencem ao hemisfério Sul. Duas em África (Etiópia e Cabo Verde), três na Ásia (Vietname, Myanmar e Tailândia), três na América Latina (México, Uruguai e Panamá) e duas na Oceânia (Nova Zelândia e Tonga). Três destes países terão um cardeal pela primeira vez na história: Cabo Verde, Myanmar e Tonga. O bispo destas ilhas, com 53 anos, será o mais jovem do colégio
Apenas duas nomeações estão em linha com a tradição: uma delas é a do patriarca de Lisboa, Manuel Clemente
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos