Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Multipliquemos «a cultura do acolhimento» porque «servir com ternura» faz-nos crescer «em humanidade», pede papa

Imagem Papa Francisco | Hospital Pediátrico Universitário de Prokocim | Cracóvia | 29.7.2016 | Foto: Antonio Spadaro | D.R.

Multipliquemos «a cultura do acolhimento» porque «servir com ternura» faz-nos crescer «em humanidade», pede papa

«Servir com amor e ternura as pessoas que precisam de ajuda faz-nos crescer, a todos, em humanidade; e abre-nos a passagem para a vida eterna: quem cumpre obras de misericórdia não tem medo da morte», afirmou hoje o papa.

As palavras de Francisco foram proferidas durante a visita ao hospital pediátrico de Prokocim, em Cracóvia, no terceiro dia da viagem à Polónia, depois de esta manhã ter rezado nos antigos campos de concentração nazis de Auschwitz e Birkenau.

«A partir deste lugar, onde se vê o amor concreto, gostaria de dizer: multipliquemos as obras da cultura do acolhimento, obras animadas pelo amor cristão, amor a Jesus crucificado, à carne de Cristo», declarou o papa no hospital que anualmente trata 200 mil crianças.

Depois de recebido pela primeira-ministra polaca e cerca de 50 crianças doentes, com os pais, Francisco afirmou: «A minha vontade era poder demorar-me um pouco com cada criança doente, junto da sua cama, abraçar-vos uma a uma, ouvir nem que fosse só por um momento cada uma de vós e, juntos, guardar silêncio perante certas perguntas para as quais não há resposta imediata. E rezar».

«Como gostaria que nós, como cristãos, fôssemos capazes de permanecer ao lado dos doentes à maneira de Jesus, com o silêncio, com uma carícia, com a oração. Infelizmente a nossa sociedade encontra-se poluída com a cultura do «descarte», que é o contrário da cultura do acolhimento. E as vítimas da cultura do descarte são precisamente as pessoas mais fracas, mais frágeis; isto é uma crueldade», sublinhou Francisco.

A terminar, o papa recordou uma das obras da misericórdia: «Desejo encorajar a todos aqueles que fizeram, do convite evangélico a "visitar os doentes", uma opção pessoal de vida: médicos, enfermeiros, todos os profissionais de saúde, assim como os capelães e os voluntários. Que o Senhor vos ajude a bem realizar o vosso trabalho, tanto neste como em qualquer outro hospital do mundo. E que Ele vos recompense dando-vos a serenidade interior e um coração sempre capaz de ternura».

Após a visita, Francisco prepara-se para a via-sacra, em Cracóvia, com as centenas de milhares de participantes na 31.ª Jornada Mundial da Juventude, que começou na terça-feira e se prolonga até domingo.

 

ImagemHospital Pediátrico Universitário de Prokocim | Cracóvia | 29.7.2016 | Foto: Antonio Spadaro | D.R.

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 29.07.2016

 

 

 
Imagem Papa Francisco | Hospital Pediátrico Universitário de Prokocim | Cracóvia | 29.7.2016 | Foto: Antonio Spadaro | D.R.
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos