Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Cinema: "Milagre no rio Hudson" renova fé na humanidade

Imagem Póster (det.) | D.R.

Cinema: "Milagre no rio Hudson" renova fé na humanidade

A 15 de janeiro de 2009, o capitão Sully "Sullenberger" (interpretado por Tom Hanks) e o seu copiloto Jeff Skiles (Aaron Eckhart) levantaram vosso do aeroporto de La Guardia, em Nova Iorque, num avião com 155 pessoas a bordo. Minutos depois colidiram com um bando de gansos canadianos.

Estavam então sobre Manhattan e informaram por rádio que iriam voltar para a esquerda, de regresso ao aeroporto. Em 207 segundos, com ambos os motores parados, Sully e Skiles levaram o avião até à água, aterrando do rio Hudson.

A história parece direta, e é. O realizador, Clint Eastwood intuiu que o poder da história sobre o carácter de um homem, mais do que o desastre de um avião, poderia fazer um filme melhor, e acertou. Juntando os dois, desastre e ser humano, conseguiu a história de um herói de proporções épicas.

O argumentista Todd Komarnicki ("Um perfeito estranho", "Elf - O falso duende") baseou o seu trabalho no livro "Highest duty: My search for what really matters", memória redigida em 2009 por Sullenberger. Dado que o argumento não tem adornos nem foi embelezado, a história conta-se a si própria.

Acrescente-se depois Tom Hanks, muitas vezes chamado o homem mais confiável na América, para interpretar o piloto de avião mais confiável do país, com quase 40 anos de experiência, e o resultado é muito bom.

No filme o adversário não são os pássaros, o avião ou passageiros desagradáveis, mas a entidade reguladora da segurança dos transportes dos EUA, a par de outros responsáveis e comissões que questionam as capacidades profissionais dos pilotos e, consequentemente, a sua integridade. O drama no tribunal é perfeitamente representado.

"Milagre no rio Hudson" prova que a máxima de que menos é mais, e Eastwood regressa ao tema do homem herói, uma das suas especialidades.

Quando escrevi no Facebook que tinha ido ver o filme numa apresentação para a imprensa, uma das minhas amigas respondeu que o casal Skiles estava na sua paróquia e que ela tinha acabado de estar num encontro litúrgico com a mulher de Jeff. O mundo é pequeno.

Fiquei comovida até às lágrimas quando vi o filme por causa da pura bondade das pessoas. O melhor de Nova Iorque e Nova Jérsia acorreram imediatamente em socorro dos passageiros. Em 24 minutos todas as pessoas tinham sido evacuadas.

Esta é uma obra inspiradora porque é muito bem interpretada e é tão verdadeira quanto pode ser por se tratar de um filme narrativo, em vez de um documentário. A imagem icónica dos passageiros sentados nas asas do avião à espera de serem resgatados, sabendo que o seriam, renova a fé na humanidade. Bondade, generosidade, bravura, coragem.

A Paulinas Editora publicou em 2012 o livro "O voo da fé - O meu milagre no rio Hudson", escrito por Frederick Berretta, um dos passageiros do avião, que narra como o acontecimento influenciou a sua relação com Deus.

 




 

Ir. Rose Pacatte (adapt.)
Diretora do Centro Paulinas para os Estudos em Comunicação, Los Angeles, EUA
In National Catholic Reporter
Edição: Rui Jorge Martins
Publicado em 10.09.2016

 

Título: Milagre no Rio Hudson
Realização: Clint Eastwood
Interpretação: Tom Hanks, Laura Linney, Jerry Ferrara
Género: Aventura, drama
Ano / país: 2016 / EUA
Duração: 95 min.
Classificação etária: M/12
Estreia em Portugal: 8.9.2016

 

 
Imagem Póster | D.R.
O adversário não são os pássaros, o avião ou passageiros desagradáveis, mas a entidade reguladora da segurança dos transportes dos EUA, a par de outros responsáveis e comissões que questionam as capacidades profissionais dos pilotos e, consequentemente, a sua integridade
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos