Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Jornal do Vaticano evoca Montserrat Caballé

«Pureza da voz, controle da emissão, fios delicados, ductilidade, timbre inconfundível, inesquecível para todos os anos 80»: o jornal do Vaticano, “L’Osservatore Romano”, evoca na edição de hoje a cantora espanhola Montserrat Caballé, que morreu este sábado, aos 85 anos, em Barcelona, cidade onde nasceu.

O texto começa por lembrar que «muitas vezes as grandes carreiras líricas nascem da indisposição de alguém», como aconteceu com a soprano, «que foi definida como a última diva da lírica, “la superba”, que se destacava na fama com Maria Callas, “la divina”, e com Joan Sutherland, “la stupenda”».

Com efeito, os bons auspícios de Montserrat começaram em 1965, quando substitui a adoentada Marilyn Horne, numa “Lucrécia Bórgia” de Gaetano Donizetti, no Metropolitan de Nova Iorque. «Não surpreende, a posteriori, o triunfo decretado pelo público, que se deu conta de ter assistido a um acontecimento histórico», escreve Marcello Filotei.

«A própria Horne telefonou em plena noite a Caballé mal regressada ao hotel para lhe dizer que estava feliz por não ter podido cantar e que ouvira secretamente a sua interpretação», refere o jornal.

Após essa atuação, «abriram-se as portas dos teatros», e nos anos 70 aconteceu tudo, a estreia no Scala de Milão, na Royal Opera House de Londres e «onde quer que houvesse um grande diretor a chamá-la», sendo «inútil fazer o elenco dos lugares», dado que se tornou «uma estrela mundial, para todos e de todos».

«O seu repertório contava mais de 80 personagens, estendendo-se do barroco a Verdi, de Wagner a Puccini, de Bellini a Richard Strauss. «Ao lado dela, Plácido Domingo disse ter “descoberto um novo mundo”, José Carreras ficou encantado, Luciano Pavarotti protegeu-a como uma filha», destaca o artigo.

Na década 90, à semelhança dos «três grandes com quem partilhou triunfos», passou para repertórios de compreensão mais fácil e de menores pretensões vocais. «Basta ir ao Google para verificar que “la superba” está imortalizada na memória coletiva por um dueto com Freddie Mercury [vocalista da banda rock QUeen] que se tornou o huno dos Jogos Olípicos de 1992», em Barcelona.

«É verdade que quem tem classe enobrece tudo, mas por exemplo a “Bohème” de 1976 no Metropolitan, com Pavarotti e James Levine, daria mais honra a um dos maiores talentos vocais do século XX», assinala Marcello Filotei.

«Não que as duas coisas estejam em contraposição, mas se ao menos alguma grande interpretação de Caballé aparecesse não no primeiro lugar, mas pelo menos na primeira página da busca na internet, quem ainda não o sabe poderia descobrir o que significava ser “la superba"», conclui o texto.















 

Rui Jorge Martins
Fonte: L'Osservatore Romano
Imagem: REUTERS/VICTOR FRAILE/FILE PHOTO
Publicado em 06.10.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos