Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Igreja católica distingue "Os olhos de André", "Para lá do Marão" e "A história do urso" no IndieLisboa

Imagem Miguel Valverde e Nuno Sena, organizadores do IndieLisboa | Lisboa, 3.5.2015 | SNPC/rjm

Igreja católica distingue "Os olhos de André", "Para lá do Marão" e "A história do urso" no IndieLisboa

"Os olhos de André", do realizador português António Borges de Correia, e "A história do urso", do cineasta chileno Gabriel Osorio, venceram este domingo os prémios "Árvore da Vida" que a Igreja católica atribuiu na 12.ª edição do IndieLisboa.

Os jurados da distinção atribuída na categoria "Competição Nacional" do festival internacional de cinema independente, formada por longas e curtas-metragens, destacaram a «sensibilidade» com que "Os olhos de André" foi elaborado, «mostrando grande espontaneidade e transparência interpretativa».

Na justificação do prémio de dois mil euros, atribuídos em partes iguais pelos Secretariados Nacionais da Pastoral da Cultura (SNPC) e das Comunicações Sociais, o júri sublinhou igualmente o «conjunto estético equilibrado, com silêncios carregados de espiritualidade», e a «forma como enaltece o papel da família como pilar da sociedade».

Na ficção que se baseia em acontecimentos reais, filmada em Arcos de Valdevez, «um pai tenta reconstruir a sua vida, depois de uma separação, para acolher o seu filho André e voltar a unir uma família», lê-se no resumo do filme de 65 minutos concluído em 2015.

«Pelo olhar de António Borges Correia e a perspetiva da sua câmara, os seus atores (as pessoas que viveram, nos mesmos papéis, a mesma história), seguem as sugestões que uma nova ficção cria a partir daquilo que já se viveu, dando-nos a conhecer, pelo cinema, uma vida real de um país verdadeiro. Mas são os olhos luminosos do jovem André a reunir o seu grande foco: aquilo que perdeu na sua família, o seu desejo de ver reconhecido o seu talento para o futebol profissional, e aquilo que ele resguarda, das suas várias figuras familiares, nesse seu jovem olhar», assinala a sinopse.

Com interpretação de António Morais e Abílio André Morais, argumento de António Borges Correia, fotografia de Miguel Robalo e produção de João Figueiras, "Os olhos de André" foi também distinguido no IndieLisboa com os prémios de Melhor Longa Portuguesa e TAP (ficção).

Os jurados do Prémio Árvore da Vida atribuíram uma Menção Honrosa ao documentário "Para lá do Marão", curta-metragem de sete minutos realizada em 2014 por José Manuel Fernandes, «poderoso retrato de uma realidade do interior do país, cheio de poética».

O júri foi composto por Maria João Costa, jornalista da Renascença e produtora do programa de cultura "Ensaio Geral", que subiu ao palco da Culturgest para anunciar o prémio, Inês Gil, cineasta, professora de Sétima Arte e membro do Grupo de Cinema do SNPC, e João Amaro Correia, arquiteto.

Pelo segundo ano consecutivo, a Igreja marcou também presença na secção IndieJúnior, que atribuiu o prémio de mil euros, patrocinado pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, à animação "A história do urso" (10 minutos), dirigida em 2014 pelo cineasta chileno Gabriel Osorio.

«Decidimos entregar o prémio "Árvore da Vida" ao filme que melhor transmite uma mensagem de valores humanos e sociais», explicaram os jurados, Francisco Aires Mateus, Rodrigo Rebello de Andrade e José Câmara, alunos da Escola Salesiana de Lisboa e da respetiva turma de Cinema, lecionada por Henrique Pina, que os acompanhou no festival.

«Cooperação, solidariedade, entreajuda, respeito, persistência e aceitação de diferenças foram mensagens que alguns dos filmes nos transmitiram. Todas as curtas aqui do IndieJúnior eram muito boas, tanto as nacionais como as internacionais, as animadas como as em "live action», salienta a declaração dos jurados,

Depois de referir que «escolher uma curta entre 38 não foi nada fácil», o júri do IndieJúnior realçou o «equilíbrio entre a sensibilidade, valor da família, defesa da liberdade e direitos dos animais» da animação chilena.

«Através dos filmes o ser humano pode encontrar alegria, mesmo quando a dor se instala», conclui a declaração, lida pelos três jurados na cerimónia de entrega das distinções do IndieLisboa.

Os prémios "Árvore da Vida" no IndieLisboa têm como objetivo distinguir obras que privilegiem valores espirituais e humanistas.

 

ImagemMaria João Costa (jurada), Henrique Pina (professor), Francisco Aires Mateus, Rodrigo Rebello de Andrade e José Câmara (jurados), equipa dos prémios "Árvore da Vida" no IndieLisboa 2015 | SNPC/rjm | D.R.


 

Rui Jorge Martins
Publicado em 04.05.2015

 

 

 
Imagem Miguel Valverde e Nuno Sena, organizadores do IndieLisboa | Lisboa, 3.5.2015 | SNPC/rjm
Em "Os olhos de André" o júri sublinhou o «conjunto estético equilibrado, com silêncios carregados de espiritualidade», e a «forma como enaltece o papel da família como pilar da sociedade»
Os jurados atribuíram uma Menção Honrosa ao documentário "Para lá do Marão", «poderoso retrato de uma realidade do interior do país, cheio de poética»
O júri do IndieJúnior realçou o «equilíbrio entre a sensibilidade, valor da família, defesa da liberdade e direitos dos animais» da animação "A história do urso"
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos