Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Há em Fátima muito mais do que podemos racionalmente compreender», afirma não crente

«Há em Fátima muito mais do que podemos racionalmente compreender», afirma não crente

Imagem Peek Creative Collective/Bigstock.com

«Há em Fátima muito mais do que podemos racionalmente compreender», considera o jornalista José Manuel Fernandes, que em texto publicado no "Observador" reflete sobre o «preconceito» acerca das aparições, destaca o «apelo popular» do santuário e evoca a «dúvida genuína» pessoal associada ao seu agnosticismo.

A opinião negativa sobre a Cova da Iria, «que não se limita aos ateus e aos agnósticos, também contagia muitos crentes», baseia-se frequentemente em reduzir o santuário «ao “joelhómetro” (a faixa onde alguns peregrinos, uma pequena minoria, cumprem as suas promessas) ou ao comércio das recordações», aponta.

Depois de abrir a crónica anunciando que olha para as aparições «como um não crente», o professor universitário salienta que, «para quem não tem fé, ainda é mais difícil compreender todos os sentimentos e emoções que Fátima suscita, e tudo o que inspira e mobiliza. E conciliar isso com a razão – sendo que a relação da Fé com a Razão foi um dos grandes temas de Bento XVI».

«Aquilo que em Fátima me parece ser realmente diferente é o seu apelo popular», declara o colunista, que questiona como terá sido possível que, «num tempo em que não havia estradas, nem formas de comunicação fáceis, sob um regime que combateu desde o início o fascínio pelas revelações dos pastorinhos e tudo fez para tornar ainda mais difíceis as deslocações, logo em outubro de 1917 umas cem mil pessoas, vindas de todo o país, se juntassem na Cova de Iria».

Para José Manuel Fernandes, esta religiosidade popular, «mesmo não seguindo a ortodoxia dos puristas, também está a léguas do obscurantismo que os eternos anti-clericais vêem em tudo o que se relaciona com o santuário». 

«Não creio que seja possível provar a existência de Deus, mas também sei que não se consegue demonstrar a sua inexistência. O meu agnosticismo é por isso uma dúvida genuína, não um labéu de conveniência, como está na moda. Mas isso não impede que, e vou repetir-me, em alguns momentos mais intensos sinta pena de não ter fé», assinala.

Depois de recordar que teve «diferentes relações com a religião» ao longo da vida, referidas no livro "Diálogo em tempo de escombros", com o atual cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente (ed. Pedra da Lua), o autor declara que não pode deixar de se «emocionar» quando olha para «os peregrinos que se dirigem a Fátima animados por algo que é muito mais do que pedir uma graça, cumprir uma promessa ou simplesmente ajoelhar-se, acender uma vela e rezar».

«Tal como não posso deixar de pensar naquilo que não alcançamos, recordando de novo Bento XVI nessa mesma aula [Universidade “La Sapienza”]: “o perigo do mundo ocidental é que o homem, obcecado pela grandeza do seu saber e do seu poder, esqueça o problema da verdade”. Humanamente e simplesmente», conclui José Manuel Fernandes.



 

Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos