Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Filme raro conclui projeto “Não te faltará a distância” na igreja de S. Cristóvão

Imagem "Gabriel" | Agnes Martin | D.R.

Filme raro conclui projeto “Não te faltará a distância” na igreja de S. Cristóvão

A igreja de S. Cristóvão, no bairro histórico da Mouraria, em Lisboa, acolhe esta quinta-feira a quarta e última parte do projeto “Não te faltará a distância”, centrado na projeção do filme “Gabriel”, realizado em 1976 pela artista de origem canadiana Agnes Martin (1912-2004).

«Eu pensava que o meu filme ia ser sobre felicidade, mas quando o vi concluído, acabou por ser sobre a alegria, as mesmas coisas de que são as minhas pinturas», referiu Agnes Martin, cuja obra se centra no abstração.

“Gabriel”, único filme concluído por Martin e raramente exibido, segue as errâncias de um rapaz de dez anos no estado rural norte-americano do Novo México, perto do local onde Martin viveu e trabalhou.

A película de 79 minutos «é um estudo contemplativo e fragmentário da paisagem, visão e perceções da natureza», descreve o museu londrino Tate Modern, onde foi apresentado em junho de 2015.

A inauguração está marcada para as 19h00 e a exposição termina a 22 de julho, concluindo o projeto artístico com curadoria de Paulo Pires do Vale que visou sensibilizar o público para as obras de recuperação da igreja de S. Cristóvão, de que é responsável o padre Edgar Clara.

Perante as infiltrações nas cobertura, a falta de telhas e a degradação da instalação elétrica, que ameaçam o património cultural da igreja, composto por 35 telas de Bento Coelho da Silveira em risco de se perder, a paróquia tem desenvolvido um conjunto de atividades a fim de poder recolher um milhão de euros para ​recuperar o monumento do século XVII.

A par da película de Agnes Martin, realiza-se o ciclo de cinema “Sair”, nas associações culturais da Mouraria, que começa na sexta-feira, às 21h30, com a projeção do filme “A lua de papel”m de Peter Bogdanovich, no largo de S. Cristóvão.

O programa prossegue a 9 de julho, à mesma hora, com “Morangos silvestres”, de Ingmar Bergman, que pode ser visto na Casa da Achada, e a 15 de julho, igualmente às 21h30, com “A viagem em Itália”, realizado por Roberto Rossellini, em exibição no Grupo Desportivo da Mouraria.

O ciclo continua a 21 de julho, com “O herói”, de Satyajit Ray, às 21h30, na Associação Renovar a Mouraria, e termina no dia seguinte, às 19h00, com “Peregrinação exemplar”, de Robert Bresson, no Centro de Inovação da Mouraria.

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 6.7.2016

 

 

 
Imagem "Gabriel" | Agnes Martin | D.R.
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos