Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Festival de Órgão da Madeira oferece concertos e sensibiliza crianças para instrumento

Imagem Órgão da igreja de S. João Evangelista | Funchal | © Dinarte Machado

Festival de Órgão da Madeira oferece concertos e sensibiliza crianças para instrumento

A sétima edição do Festival de Órgão da Madeira, que decorre de 21 a 30 de outubro no Funchal, Machico e Porto da Cruz, vai apresentar nove concertos, com entrada gratuita, além de oferecer, pela primeira vez, um programa para crianças e uma exposição.

O grande órgão da igreja do Colégio (S. João Evangelista), na capital madeirense, será o mais tocado, quatro vezes, comparecendo também na iniciativa os instrumentos da sé, igrejas de S. Pedro e S. Martinho, convento de Santa Clara, recolhimento do Bom Jesus, (Funchal), igreja de S. Pedro (Porto da Cruz) e igreja de Nossa Senhora da Conceição (Machico).

"A paisagem organística da Madeira" é o título da mostra documental que vai estar patente no Espaço Infoarte até 30 de outubro, possibilitando ao visitante conhecer a recuperação e valorização do património organístico iniciado há duas décadas.

O programa começa a 21 de outubro, às 21h30, na igreja de S. João Evangelista, com o tema "De Roma a Leipzig: mestres e discípulos", com o organista alemão Ludger Lohmann.

A etapa seguinte do festival está marcada para 22, igualmente às 21h30, na sé do Funchal, com Tiago Ferreira (órgão) e a Orquestra Clássica da Madeira, que interpretam "Sonatas de Igreja", de Mozart.

No dia 23, às 18h00, na igreja de Nossa Senhora de Guadalupe, em Porto da Cruz, escutar-se-ão canções sacras do compositor alemão Rheinberger, interpretadas por António Esteireiro (órgão) e Armando Possante (barítono).

A primeira atividade para as crianças ocorre no dia 24, na igreja de S. João Evangelista, às 15h00: Inês Machado (órgão) e Sofia Maul (narradora) apresentam "A Aldeia de Dó-Mi-Sol", com várias personagens que ajudam a descobrir uma faceta diferente do instrumento.

Também no dia 24, as canções sacras de Rheinberger, com os mesmos intérpretes do dia anterior, são esperados às 21h30 na igreja de S. Pedro, no Funchal.

A igreja de S. João Evangelista acolhe a 25 de outubro, às 21h30, um programa dividido em duas partes: na primeira serão tocadas composições de mestres holandeses do séc. XVII ao XX, por Frank van Wijk; a seguir escuta-se a "Missa solene" de Vierne, com o diretor artístico do festival, João Vaz (órgão), Halyna Stetsenko (órgão de coro) e o Coro de Câmara da Madeira.

"Norte contra Sul: Sweelinck e Cabezón": não se trata de uma guerra, mas de «dois mundos musicais contrastantes unidos pelo mesmo instrumento», interpretado por Jesús Gonzálo López e Frank van Wijk na igreja e recolhimento do Bom Jesus, no Funchal, às 21h30 do dia 26.

Bach, «a figura central de toda a literatura organística», é o protagonista do concerto do dia 27, às 21h30, na igreja de S. João Evangelista, com Albrecht Koch, titular do grande órgão da catedral de Freiberg, instrumento que o próprio Bach terá conhecido.

"A diminuição no séc. XVII, nas catedrais mediterrânicas" é o tema escolhido por João Vaz e Tiago Simas Freire (corneto) para a apresentação no dia 28, às 21h30, na igreja de S. Martinho.

Jesús Gonzálo López é o organista convidado para o concerto do dia 29, às 21h30, na igreja da Nossa Senhora da Conceição, em Machico, com "Música nos conventos espanhóis do Barroco", apresentando composições dos séculos XVII e XVIII.

A missa dominical a 30 de outubro, ao meio-dia, na igreja de S. João Evangelista, terá como cânticos as composições de Vierne, executadas por João Vaz, Halyna Stetsenko e o Coro de Câmara da Madeira.

No mesmo dia, às 18h00, a igreja do convento de Santa Clara, no Funchal, recebe o último concerto do Festival, com João Vaz e a Capella Patriarchal a interpretarem composições de António Carreira e Frei António Carreira, autores de «obras-primas da polifonia portuguesa tardo-quinhentista».

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 05.10.2016

 

 

 
Imagem Órgão da igreja de S. João Evangelista | Funchal | © Dinarte Machado
A missa dominical a 30 de outubro, ao meio-dia, na igreja de S. João Evangelista, terá como cânticos as composições de Vierne, executadas por João Vaz, Halyna Stetsenko e o Coro de Câmara da Madeira
A igreja do convento de Santa Clara, no Funchal, recebe o último concerto do Festival, com João Vaz e a Capella Patriarchal a interpretarem composições de António Carreira e Frei António Carreira, autores de «obras-primas da polifonia portuguesa tardo-quinhentista»
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos