Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Esperança tem de ser mais forte do que depressão, aponta papa Francisco

Imagem Papa Francisco | AP Photo/Petros Giannakouris | D.R.

Esperança tem de ser mais forte do que depressão, aponta papa Francisco

A confiança no futuro, fundada na fé, deve impor-se à depressão experimentada diante do mal, e em particular da corrupção, sublinhou hoje o papa Francisco na missa a que presidiu, no Vaticano.

«Esta palavra, “corrupção”, hoje diz-nos muito: não só corrupção económica, mas corrupção com muitos pecados diferentes: corrupção com esse espírito pagão, com esse espírito mundano. A pior corrupção é o espírito de mundanidade», vincou o papa, citado pela Rádio Vaticano.

Nos excertos da primeira leitura e do Evangelho proclamados nas missas desta quinta-feira é anunciada a destruição de Jerusalém e de Babilónia, sendo esta símbolo de «cada sociedade, cada cultura, cada pessoa distante de Deus, também distante do amor ao próximo, que acaba por apodrecer», apontou Francisco.

«Babilónia cai por corrupção; Jerusalém por distração», por não acolher Deus que ia ao seu encontro: «Batia à porta mas não havia disponibilidade para o receber, escutar, deixar-se salvar por Ele. E cai», disse o papa.

Estas narrações aplicam-se na existência de cada pessoa, salientou Francisco, que convidou a um exame de consciência sobre se os cristãos são semelhantes à «corrupta e autossuficiente Babilónia» ou à «distraída» Jerusalém.

A ameaça, todavia, não é a palavra derradeira: «A mensagem da Igreja nestes dias não acaba com a destruição; nos dois textos há uma promessa de esperança», vincou.

«Quando pensamos no fim, com todos os nossos pecados, com toda a nossa história, pensamos no banquete que gratuitamente nos será dado e então levantamos a cabeça. Nada de depressão – esperança», apelou.

Não se trata de ignorar a realidade: «Há muitos, muitos povos, cidades e gente, muita gente, que sofre; muitas guerras, muito ódio, muita inveja, muita mundanidade espiritual e muita corrupção. Sim, é verdade».

«Mas peçamos ao Senhor a graça de estarmos preparados para o banquete que nos espera, com a cabeça sempre levantada», concluiu Francisco.

 

Alessandro Gisotti / Rádio Vaticano
Trad./edição: Rui Jorge Martins
Publicado em 27.11.2014

 

 
Imagem Papa Francisco | AP Photo/Petros Giannakouris | D.R.
A ameaça não é a palavra derradeira: «A mensagem da Igreja nestes dias não acaba com a destruição; nos dois textos há uma promessa de esperança»
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos