Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Era uma vez…

Era uma vez…

Imagem D.R.

Era uma vez um incêndio. A floresta ardia incontrolável, aparentemente sem solução à vista. Os animais em fuga atropelavam-se na ânsia de chegar à clareira, ali ao lugar “seguro” para onde todos corriam. Salve-se quem puder! O tropel era impressionante! Na ânsia de chegar todos se atropelavam. Era assim que tinha que ser... não havia remédio... o incêndio era gigantesco!
De repente todos pararam, espantados com o colibri que se atrevia a voar ao contrário! Pequenino, frágil, voava ao contrário como se não houvesse amanhã.

- Onde vais? Não vês que está tudo a arder?
- Vou apagar o incêndio!

A gargalhada foi geral.

- Tu? Apagar o incêndio? Com um bico desse tamanho não levas mais do que uma gota de água! Achas que vais apagar o incêndio?
- Se calhar não, mas eu faço o que posso!



O tempo que é hoje, é um tempo de histórias que começaram quando “era uma vez”, mas que parece não terem fim; e estão por todo o lado... na política, no desporto, nas finanças e “financices” várias, nas pulhices e trafulhices variegadas que aparecem como cogumelos em todos os setores da sociedade



Era uma vez…

Que saudades que eu tenho do tempo em que as histórias começavam assim… era uma vez!
Que saudades que eu tenho do tempo em que as histórias tinham sempre um final feliz, porque “uma vez”, alguma coisa tinha acontecido, alguma coisa tinha dado início a algo que não era, que começou a ser e que evoluiu até ao tempo que é agora, onde já se pode contar, onde já se pode saber, onde tudo ficou claro, porque aquilo que tinha tido início “uma vez”, chegara ao seu fim, um fim feliz.

Que saudades que eu tenho do tempo em que as histórias tinham sempre um fim feliz!

O tempo que é hoje, é um tempo de histórias que começaram quando “era uma vez”, mas que parece não terem fim; e estão por todo o lado... na política, no desporto, nas finanças e “financices” várias, nas pulhices e trafulhices variegadas que aparecem como cogumelos em todos os setores da sociedade, mas que se arrastam até à exaustão, até à prescrição, até ao esgotamento sobretudo da pachorra de viver num mundo gerido por inimputáveis em corrida desenfreada em direcção à clareira, que “não sabiam”, que “não se lembram”, que “afinal não foi bem assim”; um mundo feito de “filhos de senhoras solteiras” que morrem assim mesmo, celibatárias, recauchutadas e a gritar que as “galdérias” são as outras...



Oxalá 2017 que agora começa seja um ano sem incêndio e sem incêndios, um verdadeiro ano de magia. A muitos dos meus amigos, no final do ano passado, desejei um feliz 2018. Não, não foi engano



Tenho muito respeito pelas galdérias assumidas; não tenho é paciência para “virgens recauchutadas”, da política, do desporto, da religião, da economia, das artes várias, aguçadas pelo engenho e pela cobiça, como diria Camões: “Desta vaidade a quem chamamos fama, do fraudulento gosto que se atiça, c’uma aura popular, que honra se chama! De repente ouve-se esta voz do velho, desse Restelo que é o chão da pátria.

Não moro no Restelo. Não tenho nada contra quem lá vive... mas moro na pátria, moro no tempo e no meu tempo, neste tempo de gente que grita no vozear e no tropel do “incêndio”. A este ainda ninguém o viu...

Para já estamos entretidos com as bruxas matinais da televisão que merecemos, com as novelas e novelos que desenrolamos de manhã à noite, e com as noites animadas com os “futebóis” e as casas dos segredos... não as do Restelo, mas as de S. Bento, as de Belém, sem reis mas com magos.

Oxalá, Insh’Allah, a sério, sem sarcasmo, oxalá 2017 que agora começa seja um ano sem incêndio e sem incêndios, um verdadeiro ano de magia. A muitos dos meus amigos, no final do ano passado, desejei um feliz 2018. Não, não foi engano. Foi o desejo sincero de que este ano os reis magos não venham, ou então, se vierem, tragam só o ouro. Já temos as narinas saciadas de incensos cultuais e não temos espaço para mais mirra do sofrimento de, mais uma vez, vermos a esperança adiada.

Entretanto, se o incêndio vier, peço a Deus a coragem de ser colibri!

Para todos, um feliz 2018!



 

Fr. Fernando Ventura
Publicado em 07.01.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos