Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Entrevista a Rafael Moneo, vencedor do "Óscar" da arquitetura sacra

Imagem Rafael Moneo | D.R.

Entrevista a Rafael Moneo, vencedor do "Óscar" da arquitetura sacra

Rafael Moneo passeia no sol matutino de Pavia. Nas ruas e nas praças lê o original tecido romano, as interpretações estratificadas no tempo, fascina-o a mole imensa da catedral. Para o arquiteto espanhol, prémio Pritzker em 1996, a história foi sempre um objeto para se confrontar. Na terça-feira recebeu, na cidade italiana, o prémio internacional de arquietura sacra Frate Sole. O seu nome junta-se a Ando, Siza, Meier, Pawson e Undurraga.

Nascido em 1937, Moneo foi distinguido pela sua igreja de Jesus, realizada entre 2007 e 2011 em San Sebastián, e é também autor da catedral de Los Angeles, construída de 1998 a 2002.

Qual é o maior problema ao fazer hoje arquitetura sacra?
A arquitetura sacra acompanha a súbita transformação da religião no Ocidente: ambos passaram de um sentido de pertença coletiva para as mãos e mentes dos indivíduos. Os lugares sagrados da cidade antiga são o produto de um esforço coletivo de toda a sociedade. A população compreendia o sentido de uma construção que se erguia para lá de uma experiência religiosa privada. Uma dimensão comunitária colocada em dúvida a partir do Renascimento e da Reforma, quando o indivíduo se torna dono dos seus sentimentos. Hoje, como arquitetos que abordamos o sagrado, temos problemas então desconhecidos.

Pode dizer-se que no passado a comunidade era a condição de que nascia a arquitetura, hoje é a condição para a qual a arquitetura olha?
Sim, estando atentos ao facto de que se antes havia uma maior compacidade, isso não significa que a sociedade fosse tão integrada. Não havia alternativas de pensamento. O facto de que seja possível viver juntos com ideias diferentes é também uma conquista da modernidade.

Como investiga a comunidade nas suas igrejas, uma catedral e uma paroquial?
Procurei sempre voltar àquelas experiências de arquitetura religiosa que mais me sensibilizaram e convenceram. Mas nelas a minha condição de arquiteto do presente é muito clara. Apesar da diferença de escala, ambas são arquiteturas conscientes do que significam na cidade. Em ambos os casos a Igreja é uma voz entre as muitas de uma sociedade pluralista, mas é forte naquele grupo que quer sentir-se parte de uma coletividade. No projeto de Los Angeles, metrópole de tantas culturas, parti do facto de que uma catedral está sujeita à apropriação da parte da comunidade católica que nela reconhece o próprio espaço. Em San Sebastián a paróquia não devia ser uma ilha. Apesar de o catolicismo em Espanha estar em sofrimento, tem uma presença na vida quotidiana ainda muito grande, de tal modo que a igreja se torna uma moldura da vida. Em ambas dei particular importância também aos lugares intermédios, que são de encontro tanto quanto de filtro. Em Los Angeles o grande adro retoma o pátio das missões californianas; em San Sebastián trabalhei sobre o tema do nártex.

No teto da igreja de Jesus a cruz, de forma irregular, parece suspensa na luz. Que papel tem o símbolo na sua arquitetura sacra?
Na igreja de Jesus a cruz não é legível de maneira tão direta como no Renascimento, todavia está presente e é determinante. Na catedral de Los Angeles a cruz adquire um papel iconográfico mais claro associado à luz, mas é menos evidente na planta, embora exista. Quanto à grande tradição, procurei sempre manter a orientação, a iconografia da cruz, a luz. Sem, contudo, exagerar do ponto de vista metafórico.

Na igreja de San Sebastián são muitas as obras de arte abstrata.
É mérito do pároco, padre Jesus Maria Zabaleta, que quis oferecer o melhor possível, também nas obras de arte que considerava mais preciosas. San Sebastián é uma cidade com uma importante tradição de arte contemporânea, com artistas como Chillida e Jorge Oteiza. É na sua marca que trabalharam artistas como Prudencio Irazabal, José Ramón Anda, Javier Alkain. O pároco não teve medo desta modernidade, sentia que a sua comunidade se sentia identificada com esta linguagem.

Que características deve ter, no seu entender, uma igreja bem conseguida?
Como arquiteto penso que uma igreja, precisamente pelo papel que a religião tem na vida, não pode só depender em termos funcionais da liturgia. É verdade que as igrejas devem resolver os problemas da assembleia, mas devem também permitir um sentido de intimidade do indivíduo na relação com Deus. É por isso que as minhas igrejas não são unitárias, mas caracterizam-se pela multiplicidade, para que cada fiel possa encontrar o melhor lugar para si.

 

Alessandro Beltrami
In "Avvenire"
Trad. / edição: Rui Jorge Martins
Publicado em 05.10.2016

 

 
Imagem Rafael Moneo | D.R.
San Sebastián é uma cidade com uma importante tradição de arte contemporânea, com artistas como Chillida e Jorge Oteiza. É na sua marca que trabalharam artistas como Prudencio Irazabal, José Ramón Anda, Javier Alkain. O pároco não teve medo desta modernidade, sentia que a sua comunidade se sentia identificada com esta linguagem
Como arquiteto penso que uma igreja, precisamente pelo papel que a religião tem na vida, não pode só depender em termos funcionais da liturgia. É verdade que as igrejas devem resolver os problemas da assembleia, mas devem também permitir um sentido de intimidade do indivíduo na relação com Deus
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos