Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

«Dizer misericórdia» é «dizer amanhã, compromisso, confiança, abertura, hospitalidade, compaixão, sonhos», afirma papa

Imagem Papa Francisco no "elétrico papal" | Cracóvia, Polónia | 28.7.2016 | © 2016 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

«Dizer misericórdia» é «dizer amanhã, compromisso, confiança, abertura, hospitalidade, compaixão, sonhos», afirma papa

Queres a «vertigem alienante» ou preferes a «força da graça»?: esta foi uma das perguntas que o papa colocou hoje, na cidade polaca de Cracóvia, a dezenas de milhares de jovens durante o primeiro encontro com os participantes na 31.ª Jornada Mundial da Juventude.

Na sua intervenção, Francisco voltou a insistir na necessidade de pôr em prática a compaixão por quem sofre, insistindo, como já tinha feito no primeiro discurso que proferiu na Polónia, esta terça-feira, na importância de abrir as portas aos estrangeiros.

«Um coração misericordioso tem a coragem de deixar a comodidade; um coração misericordioso sabe ir ao encontro dos outros, consegue abraçar a todos. Um coração misericordioso sabe ser um refúgio para quem nunca teve uma casa ou a perdeu, sabe criar um ambiente de casa e de família para quem teve de emigrar, é capaz de ternura e compaixão», apontou.

Para o papa, «um coração misericordioso» é também aquele que «sabe partilhar o pão com quem tem fome, um coração misericordioso abre-se para receber o refugiado e o migrante», pelo que «dizer misericórdia» é o mesmo que «dizer oportunidade, dizer amanhã, compromisso, confiança, abertura, hospitalidade, compaixão, sonhos».

 

Aproveitar «os belos anos» da vida

O papa recordou que quando foi bispo, em Buenos Aires, aprendeu que «não há nada de mais belo do que contemplar os anseios, o empenho, a paixão e a energia» da juventude.

Por isso, para Francisco é triste «encontrar jovens que parecem "reformados", e preocupante ver rapazes e raparigas «que desistiram antes do jogo; que "se renderam" sem ter começado a jogar; que caminham com a cara triste, como se a sua vida não tivesse valor. São jovens essencialmente chateados... e chatos».

As promessas de felicidade que muitos jovens seguem, atraídos pela radicalidade de viver em plenitude, e que em vez de conduzirem à felicidade têm a depressão como fim, foram também mencionadas pelo papa.

«É duro, e ao mesmo tempo interpela-nos, ver jovens que deixam a vida à procura da "vertigem", ou daquela sensação de se sentir vivos por vias obscuras que depois acabam por "pagar"... e pagar caro. Dá que pensar quando vês jovens que perdem os anos belos da sua vida e as suas energias correndo atrás de vendedores de falsas ilusões (na minha terra natal, diríamos «vendedores de fumaça») que vos roubam o melhor de vós mesmos», assinalou.

«Por isso, queridos amigos, estamos aqui reunidos para nos ajudarmos uns aos outros, porque não queremos deixar que nos roubem o melhor de nós mesmos, não queremos permitir que nos roubem as energias, a alegria, os sonhos com falsas ilusões», prosseguiu o papa.

 

Cristo, caminho de vida e misericórdia

A resposta ao anseio de alegria está em quem não se pode comprar, mas só encontrar: «Para ser plenificados, para ter uma força renovada, há uma resposta: não é uma coisa, não é um objeto; é uma pessoa e está viva, chama-se Jesus Cristo».

«Jesus Cristo é aquele que sabe dar verdadeira paixão à vida, Jesus Cristo é aquele que nos leva a não nos contentarmos com pouco e a dar o melhor de nós mesmos; é Jesus Cristo que nos interpela, convida e ajuda a erguer-nos sempre que nos damos por vencidos. É Jesus Cristo que nos impele a levantar o olhar e sonhar a altitude», apontou o papa.

Maior do que a fraqueza pessoal, é a misericórdia de Deus: «"Eu sou fraco, eu caio, esforço-me, mas tantas vezes caio"; os alpinistas, quando sobem as montanhas, cantam uma canção muito bonita, que diz assim: na arte de subir o que importa não é não cair, mas não ficar caído. Se és frágil, se cais, quando caíres olha para cima», salientou.

Estimulado a crescer no conhecimento e no amor, o encontro com Cristo depressa se traduz em atitudes: «Quem acolhe Jesus, aprende a amar como Jesus. Então pergunta-nos se queremos uma vida plena: Queres uma vida plena? Começa a deixar-te mover à compaixão! Porque a felicidade germina e desabrocha na misericórdia. Esta é a sua resposta, este é o seu convite, o seu desafio, a sua aventura: a misericórdia».

Prestes a concluir as suas palavras, Francisco dirigiu a Deus uma oração, que constitui também um desafio, aos jovens e à Igreja: «Lançai-nos na aventura da misericórdia! Lançai-nos na aventura de construir pontes e derrubar muros (cercas e arame farpado); lançai-nos na aventura de socorrer o pobre, quem se sente sozinho e abandonado, quem já não encontra sentido para a sua vida».

«Impele-nos, como a Maria de Betânia, para a escuta daqueles que não compreendemos, daqueles que vêm de outras culturas, outros povos, mesmo daqueles que tememos porque julgamos que nos podem fazer mal. Fazei que voltemos o nosso olhar, como Maria de Nazaré para Isabel, para os nossos idosos a fim de aprender com a sua sabedoria», afirmou.

 

Amanhã, Auschwitz, Birkenau e via-sacra

No caminho para o Parque de Blonia, onde decorreu o encontro que finalizou o segundo dia da visita à Polónia, Francisco foi transportado no "elétrico papal", pelas ruas da cidade, na companhia de jovens com deficiência.

A agenda desta sexta-feira prevê um dos momentos mais significativos da viagem: a oração, em silêncio, nos campos de concentração de Auschwitz e Birkenau, onde chegará, a partir de Cracóvia, por helicóptero.

De regresso a Cracóvia, Francisco visita o Hospital Pediátrico Universitário e, ao final da tarde, volta ao parque de Blonia para participar na via-sacra com os jovens, inserida no programa da Jornada Mundial da Juventude.

 

ImagemJornada Mundial da Juventude | Cracóvia, Polónia | 28.7.2016

 

ImagemJornada Mundial da Juventude | Cracóvia, Polónia | 28.7.2016

 




 

Rui Jorge Martins
Publicado em 28.07.2016

 

 

 
Imagem Papa Francisco no "elétrico papal" | Cracóvia, Polónia | 28.7.2016 | © 2016 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A..
«Um coração misericordioso tem a coragem de deixar a comodidade; um coração misericordioso sabe ir ao encontro dos outros, consegue abraçar a todos. Um coração misericordioso sabe ser um refúgio para quem nunca teve uma casa ou a perdeu, sabe criar um ambiente de casa e de família para quem teve de emigrar, é capaz de ternura e compaixão»
«[Deus,] lançai-nos na aventura da misericórdia! Lançai-nos na aventura de construir pontes e derrubar muros (cercas e arame farpado); lançai-nos na aventura de socorrer o pobre, quem se sente sozinho e abandonado, quem já não encontra sentido para a sua vida»
«Impele-nos, como a Maria de Betânia, para a escuta daqueles que não compreendemos, daqueles que vêm de outras culturas, outros povos, mesmo daqueles que tememos porque julgamos que nos podem fazer mal»
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos