Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Dez séculos de música em recital de órgão e flautas históricas

Dez séculos de música em recital de órgão e flautas históricas

Imagem Órgão da igreja de S. Lourenço, Porto | D.R.

Dez séculos, dez instrumentos: é este o desafio do recital que «propõe uma original e inesperada viagem no tempo» por Portugal, Alemanha, Itália Inglaterra, França, Áustria e Países Baixos.

O Ludovice Ensemble apresenta a 18 de maio, Dia Internacional dos Museus, na igreja de S. Lourenço (Grilos), no Porto, o concerto "Da Idade Média à Contemporaneidade: música e artes visuais em diálogo", anuncia uma nota enviada ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Fernando Miguel Jalôto (órgão) e Joana Amorim (flautas históricas) interpretam um programa com obras de compositores como Landini, Dufay, Palestrina, Couperin, Bach, Mozart, Cavazzoni, Riccio, Gibbons, Pasquini, Seixas e Graun.

O recital, marcado para as 19h00, inclui obras do português Vasco Negreiros, nomeadamente a recente peça para flauta e órgão "Caritas abundat", inspirada na obra da poetisa, compositora e mística medieval Santa Hildegarda de Bingen.  

Iniciado em novembro de 2016, o ciclo de recitais termina a 10 de agosto, à mesma hora, invocando o padroeiro da igreja do Seminário, também com o Ludovice Ensemble, que apresenta motetos e obras instrumentais italianas do séc. XVII.

O órgão ibérico da igreja de S. Lourenço, provavelmente construído em finais do séc. XVIII e restaurado em 1998, tem 28 meios registos e quase 1500 tubos, sendo considerado «um instrumento ímpar entre o património artístico organístico da cidade do Porto e a nível nacional», destaca o desdobrável do recital.

A primeira pedra do conjunto em que se insere a igreja de S. Lourenço, concebido para um colégio da Companhia de Jesus, foi lançada em 1573. Os Jesuítas permaneceram nesse espaço até à expulsão de Portugal, em 1759.

Mais tarde, serviu para acolher os Eremitas Descalços de Santo Agostinho, expulsos em 1832 com a extinção das ordens religiosas. Foi depois adquirido pela diocese do Porto, para a instalação do Seminário Maior de Nossa Senhora da Conceição. O edificado abrange o Museu de Arte Sacra e Arqueologia.



 

SNPC
Publicado em 01.05.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos