Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Despojar-se até ao essencial: E se fosse esta a chave da felicidade?

Imagem S. Francisco de Assis

Despojar-se até ao essencial: E se fosse esta a chave da felicidade?

«Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei de aliviar-vos. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve» (Mateus 11, 28-30).

Qual é a chave para encontrar repouso para a nossa vida? Esforçamo-nos todos os dias perseguindo a convicção de que se tivermos mais dinheiro, uma casa maior, mais sucesso social, mais poder, então, como recompensa, teremos a felicidade. Perseguindo aquilo que não é essencial, perdemos de vista de vista a paz. O repouso para a nossa vida está nas nossas mãos, hoje.

Se arámos impiedade e plantámos injustiça, se comemos o fruto da mentira uma vez que depositámos a confiança na nossa força, agora, para seguir Cristo, é-nos pedido para semear segundo a justiça e plantar segundo a bondade, lavrar um campo novo até que o Senhor venha.

A lógica do mundo, que quer reconhecimento e poder, não é o caminho que Jesus escolheu para se revelar a nós, mas manso e humilde caminhou junto de quem está curvado, de quem é pobre, para nos ensinar que o único peso que não se pode carregar é não amar.

E S. Francisco, de quem hoje fazemos memória, compreendeu que o caminho não é revestir-se de glória, mas despojar-se. Nu diante de uma Palavra que nos atravessa e faz luz na nossa escuridão, para que o peso que levamos em nós e sobre nós seja partilhado e acolhido, e, por isso, se torne leve.

Quem procura uma receita, um conjunto de regras a seguir para se sentir seguro, certo de uma salvação pessoal, arrisca-se a não encontrar a única porta de acesso ao Reino, essa sabedoria que se fez carne e que se pode aprender só com a vida.

Aqueles que se despojaram de tudo receberam o infinito no coração despido. A paz não se alcança acrescentando, com a abundância e a acumulação, mas aprendendo a tirar até ao essencial.

Esse essencial que da cruz abraça e reergue quem está curvado, porque na crueza e na nudez da vida há uma dignidade que nenhuma posse poderá jamais igualar. É um paradoxo deixar aquilo que parece tão desejável? É um paradoxo deixar algo que tão arduamente se tornou meu para o partilhar? E se fosse esta a chave da felicidade?

 

Ir. Elisabetta
In "Monastero di Bose"
Trad. / adapt.: Rui Jorge Martins
Publicado em 04.10.2016

 

 
Imagem S. Francisco de Assis
Aqueles que se despojaram de tudo receberam o infinito no coração despido. A paz não se alcança acrescentando, com a abundância e a acumulação, mas aprendendo a tirar até ao essencial
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos