Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Desesperar da instituição?

Meus amigos, perante as repetidas acusações de pedofilia na Igreja, teremos de desesperar da instituição? Sim, eu coloco esta pergunta ao escutar e ler as reações, as interrogações e os testemunhos de uns e de outros na Igreja e fora dela, porquanto a responsabilidade da Igreja, a responsabilidade da sua missão primeira, dirige-se a todos, ao mundo inteiro, à Criação. E a Igreja, porque é corpo de Cristo, não pode subtrair-se à sua responsabilidade pelo mundo. Caso contrário não seria mais do que uma instituição como as outras. Eu coloco esta pergunta porque o cristão que sou é chamado a reconhecer abertamente este drama e a voltar-se para a sua Igreja para se assegurar com a maior das inquietações dos fundamentos da sua fé, e para reclamar que seja garantida a Palavra que faz viver a Igreja contra a sua própria renúncia, e mesmo contra a sua aniquilação.

É não apenas natural mas sobretudo saudável que cada um se interrogue, proponha, alerta. Porque não se trata apenas de casos tristes. Trata-se sobretudo de um terrível drama que atinge o nosso coração, que espera as nossas decisões, que apela à nossa ação, se não corremos o risco de manter uma desconfiança perniciosa e fatal em relação ao que constitui a nossa base comum, em relação à dinâmica de transmissão dos nossos valores, das nossas crenças, dos nossos símbolos, que nos constituem uns com e para os outros. E é precisamente isso que define uma instituição viva e uma «instituição justa», para retomar a expressão do filósofo Paul Ricoeur. O sentido da justiça nunca emerge com tanta urgência e acuidade como quando a instituição, a estrutura do viver juntos, e do crer juntos, neste caso, está ameaçada.

Porque desesperar da nossa instituição é também desesperar das mulheres e dos homens que a estabeleceram, transmitiram, enriqueceram e que acreditaram ao longo dos séculos e de gerações. E porque a nossa fé se dirige a toda a humanidade, a uma existência total que tem o dever e a tarefa de se interrogar sobre ela própria, sobre cada um dos seus comportamentos como sobre as suas instituições e as suas instâncias de poder, de representação, de crença. Ora, da nossa reação diante destes crimes pedófilos, no coração da nossa Igreja, depende a nossa coesão, o nosso corpo eclesial enquanto instituição vivente. Como poderosamente lembrou o papa Francisco ao abrir a sua carta de 20 de agosto «ao povo de Deus», e citando Paulo: «Se um só membro sofre, todos os membros partilham o seu sofrimento» (1 Coríntios 12, 26). Mas acrescentemos: se um só membro não partilha este sofrimento, ou o minimiza, ou o desvaloriza, ou prefere calá-lo, pervertendo muitas vezes a instituição, é então todo o corpo que é atingido.



Uma «instituição justa» é uma instituição que protege, nomeadamente e prioritariamente ao mais fracos, os mais pequenos. E não uma instituição que se protege



A instituição eclesial vem daí, o seu único poder, a sua única glória só vêm daí, dessa necessidade de fazer face ao indizível de cada sofrimento humano, e de fazer corpo na partilha dos sofrimentos. O perigo, dos nossos dias, não me parece tanto a desafetação das nossas igrejas, mas a desafetação deste “fazer corpo” que constitui a Igreja como exigência absoluta de compaixão ativa. A comunidade eclesial não pode ser o lugar da sufocação dos segredos, do evitamento das responsabilidades, da recusa de culpabilidade. Não queremos da Igreja a mentira ou a cobardia. Isso não é a Igreja, não é a nossa Igreja. Por isso é preciso agir.

Não sei se a demissão deste ou daquele se impõe, mas estou convencido de que são precisos atos concretos, decisões corajosas, tanto coletivas como individuais. Uma «instituição justa» é uma instituição que protege, nomeadamente e prioritariamente ao mais fracos, os mais pequenos. E não uma instituição que se protege. Sem isso a desarticulação ameaça, a dissolução do corpo concretiza-se. Acabaremos então por desesperar da instituição. Isto é, desesperar de nós próprios. É será no fim de contas o próprio Cristo que mais uma vez nós teremos ferido e afrontado. Todos. Calando-nos. Recusando enfrentar as nossas responsabilidades. Não agindo.

Aqui ou ali querer-se-ia não haver sentimento de culpa, esperar serenamente que a justiça passe. A dos homens sim, talvez. Mas o maior perigo é sem dúvida o de eliminar o laço entre grandeza e culpabilidade. Mais uma vez Paul Ricoeur: «Onde está a culpabilidade, está também a grandeza». Cabe-nos interrogar: que sentido tem a falta que nos atinge agora tão profundamente? Permaneçamos despertos, alerta. Reconheçamos a nossa falta. Partilhemo-la com a «nossa comunidade mortal», como já afirmava Santo Agostinho, na abertura do décimo livro das suas “Confissões”. É também isso que nos institui uns entre e para os outros.


 

Frédéric Boyer
In La Croix
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Tverdokhlib/Bigstock.com
Publicado em 06.09.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos