Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

De Fátima chega uma mensagem de esperança para todos os tempos, afirma cardeal decano

De Fátima chega uma mensagem de esperança para todos os tempos, afirma cardeal decano

Imagem Santuário de Fátima | D.R.

Na tarde desta quarta-feira, na embaixada de Portugal junto da Santa Sé, o cardeal decano, o italiano Angelo Sodano, ilustrou ao Corpo Diplomático a mensagem de Fátima, por ocasião da visita do papa Francisco ao santuário a 12 e 13 de maio, no contexto do centenário das aparições da Virgem Maria a três crianças que pastoreavam o rebanho, Lúcia e os beatos Francisco e Jacinta. Durante a sessão tomou igualmente a palavra o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto. Apresentamos seguidamente a intervenção do cardeal Sodano, considerado o "primeiro entre iguais".

«O centenário das aparições marianas verificadas em Fátima no ano de 1917 leva-nos a refletir sobre o significado para a Igreja e para o mundo de tal acontecimento extraordinário. A história é mestra de vida, diziam os antigos romanos: "historia magistrae vitae". O recordar os acontecimentos de Fátima pode fazer-nos compreender melhor a presença providencial de Deus nos eventos humanos.

Pessoalmente desde rapaz aprendi a conhecer em família e na paróquia toda a fascinante história das aparições de Nossa Senhora em Fátima. Nos anos trágicos da última guerra mundial, a nós jovens foram de grande conforto as palavras que Nossa Senhora tinha dito aos três pastorinhos em julho de 1917, perante os dolorosos acontecimentos daquele tempo. Eram palavras plenas de esperança: "No fim o meu Coração Imaculado triunfará!".

Parecia-nos já então que a mensagem de Fátima era não só um convite à conversão e à oração, mas também um convite à esperança, recordando-nos a contínua presença de Deus no meio de nós, mesmo nas horas mais trágicas da história. Nossa Senhora parecida recordar-nos as palavras dirigidas por Jesus aos seus discípulos: "No mundo tereis tribulações, mas confiai! Eu venci o mundo" (João 16, 33).



Com as duas grandes fontes da revelação cristã, a Sagrada Escritura e a tradição divina apostólica, os crentes, guiados pelo magistério da Igreja, podem já descobrir tudo o que Deus espera deles. Mas o autor acrescentava que Deus pode sempre intervir na história humana. Assim se explicam igualmente as intervenções sobrenaturais operadas por Deus no mundo por meio de Maria santíssima e de muitos santos



Cresci assim num ambiente mariano, que de resto era típico das nossas populações do Piemonte. Tornado sacerdote em 1950, tive depois maneira de experimentar cada vez melhor a missão de Maria Santíssima na comunidade cristã. Assim foi ainda mais quando, em 1961, foi chamado ao serviço da Santa Sé, durante o pontificado do papa João XXIII. Trabalhando depois na América Latina, primeiro no Equador, depois no Uruguai e por fim no Chile, descobri ainda melhor os sinais da presença de Maria na vida da Igreja.

Voltando a ser chamado a Roma, em 1988, pelo papa João Paulo II, fiquei sempre muito edificado pela sua profunda devoção mariana. Não foi por acaso que escolheu como moto "totus tuus" (tudo teu), dirigido a Maria. Esta foi também a atitude do papa Bento XVI e é-o agora com o pontificado de Francisco. Como é sabido, ele irá brevemente a Portugal para prestar homenagem à Mãe de Cristo no seu belo santuário de Fátima. Este é, com efeito, o moto do importante evento: "Com Maria, peregrino na esperança e na paz".

Em tempos recentes os teólogos ajudaram-nos a aprofundar o significado desta presença de Maria na vida dos crentes. A propósito, apreciei particularmente uma interessante publicação de um teólogo italiano, padre Stefano De Fiores, intitulada "Perché Dio ci parla mediante Maria. Significato delle apparizioni mariane nel nostro tempo" (Porque Deus nos fala mediante Maria. Significado das aparições marianas no nosso tempo), das Edições San Paolo, 2011.

Nesse escrito ele recorda-nos o que é conhecido a todos os cristãos, ou seja, que com as duas grandes fontes da revelação cristã, a Sagrada Escritura e a tradição divina apostólica, os crentes, guiados pelo magistério da Igreja, podem já descobrir tudo o que Deus espera deles. Mas o autor acrescentava que Deus pode sempre intervir na história humana. Assim se explicam igualmente as intervenções sobrenaturais operadas por Deus no mundo por meio de Maria santíssima e de muitos santos. São intervenções que ao longo dos séculos ajudaram muitos cristãos a descobrir cada vez melhor a vontade de Deus.



Li com grande satisfação o que recentemente nos recordou o atual bispo de Leiria-Fátima, D. António dos Santos Marto, num belo artigo recentemente publicado. O texto termina precisamente assim: "Graça e misericórdia. Estas palavras da última aparição de Nossa Senhora a Lúcia, em Tuy, são a síntese da mensagem de Fátima e da revelação do Deus compassivo (...) que se dobra perante todos os sofrimentos humanos"



De resto, esta era já a mensagem que o apóstolo Paulo dava aos cristãos de Tessalónica: "Não extingais o Espírito, não desprezeis as profecias; examinai cada coisa, mantende o que é bom" (1 Tessalonicenses 5, 19-21).

A esse propósito são depois iluminadoras as palavras do Catecismo da Igreja católica, que nos diz: "Mesmo se a Revelação [cristã] está realizada, ela não esta todavia explicitada: caberá à fé cristã colher-lhe gradualmente todo o alcance no curso dos séculos" (n. 66).

Compreende-se assim a riqueza do magistério da Igreja sobre a missão da Mãe de Deus e dos santos na realidade da história humana. Assim se toma também consciência do progressivo desenvolvimento do culto mariano ao longo dos séculos. É quanto já nos recordava há mais de 40 anos o falecido cardeal Manuel Gonçalves Cerejeira, patriarca de Lisboa, quando dizia que "não é a Igreja que impôs Fátima ao mundo, mas é Fátima que se impôs ao mundo", para atrair todos os homens do nosso tempo a Jesus Salvador, que "veio ao mundo para que todos os homens tenham a vida e a tenham em abundância" (João 10, 10).

A este respeito li com grande satisfação o que recentemente nos recordou o atual bispo de Leiria-Fátima, D. António dos Santos Marto, num belo artigo publicado recentemente na revista italiana "Vita e pensiero", com o título significativo "Fátima, il Novecento ed il mistero dell'iniquità" (Fátima, o século XX e o mistério da iniquidade). O texto termina precisamente assim: "Graça e misericórdia. Estas palavras da última aparição de Nossa Senhora a Lúcia, em Tuy, são a síntese da mensagem de Fátima e da revelação do Deus compassivo (...) que se dobra perante todos os sofrimentos humanos".

Há portanto uma mensagem de esperança que vem até nós da celebração do centenário das aparições de Maria santíssima em Fátima. Numerosas e graves podem ser as provações da vida e as tragédias do mundo, mas ainda maior é o amor de Deus por nós. Do santuário de Fátima a mãe de Jesus parece querer recordar-nos as palavras dirigidas por Jesus aos seus discípulos antes da ascensão ao céu: "Confiai, Eu venci o mundo. Eu estarei sempre convosco todos os dias, até ao fim dos séculos" (Mateus 28, 20).»



 

Card. Angelo Sodano
In "L'Osservatore Romano", 15.3.2017
Trad.: SNPC
Publicado em 23.03.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos