Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Cultura é determinante para a economia, sublinha António Lobo Xavier

Imagem António Lobo Xavier | 12.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura | Fátima, 4.6.2016 | D.R.

Cultura é determinante para a economia, sublinha António Lobo Xavier

Num mundo «em que o capital se desloca rapidamente», não são só os negócios a determinar a sociedade, «mas também elementos de natureza cultural - a liberdade, a ordem, os controles das várias fontes de poder, o respeito pela propriedade, tudo elementos do mundo imaterial», declarou hoje António Lobo Xavier.

A afirmação do Conselheiro de Estado foi proferida na conferência de abertura da 12.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura, que debate, em Fátima, o tema "Cultura e economia: implicações e desafios".

Referindo-se à expressão do papa Francisco de que «a economia mata», o mestre em Ciências Jurídico-Económicas defendeu que ela «não mata sempre», não sendo certo «que seja mais mortífera» do que outros modelos que atravessaram a história do Ocidente e que ainda se mantêm na atualidade.

«Dizem-se coisas terríveis sobre a economia», afirmou, salientando que «a diferença entre o lado chocante do mundo económico e o lado, em geral, elevado e espiritual do mundo da cultura» está hoje mais presente.

Se é verdade que existem «imensos casos de falta de ética e respeito» no mundo empresarial, há também empresas com valores associados, ainda que «sempre com um objetivo económico» inerente à sua afirmação.

«Passou-se para um modelo de progresso mais inclusivo, onde valores como a empregabilidade e a justiça na distribuição dos rendimentos contam mais, a que se acrescentam os valores do crescimento sustentável, com atenção ao ambiente e às gerações futuras», realçou.

Para António Lobo Xavier, os valores da «frugalidade, insatisfação, verdade, rigor são qualidades especialmente associadas aos grandes objetivos da economia, que são a inovação, o risco, resistência ao fracasso e a tolerância - aos outros e ao erro».

Depois de sustentar que a economia do futuro «vai ser bastante mais dramática do que atual», em parte devido à crescente digitalização, o comentador lembrou que «a economia da cultura e da criatividade tem um peso cada vez mais significativo» em Portugal e na Europa.

O jurisconsulto e administrador de empresas mostrou-se convicto de que «a economia não tem hipótese de se desligar da cultura», dado que «o valor económico é o conhecimento e este não pode desligar-se da cultura».

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 04.06.2016

 

 
Imagem António Lobo Xavier | 12.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura | Fátima, 4.6.2016 | D.R.
Os valores da «frugalidade, insatisfação, verdade, rigor são qualidades especialmente associadas aos grandes objetivos da economia, que são a inovação, o risco, resistência ao fracasso e a tolerância - aos outros e ao erro»
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos