Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

"Conferências de Maio" convidam crentes e não crentes a «ler os sinais dos tempos» à luz da «misericórdia»

Imagem Dialogue 10 (det.) | Vasile Dobrian | 1993 | D.R.

"Conferências de Maio" convidam crentes e não crentes a «ler os sinais dos tempos» à luz da «misericórdia»

O CRC - Centro de Reflexão Cristã, em Lisboa, inaugura esta quarta-feira a edição de 2016 das "Conferências de Maio", dedicada ao tema "Misericórdia e diálogos - Chamados à coragem".

«As "Conferências de Maio" pretendem ser uma oportunidade para ler os sinais dos tempos que vivemos, marcados por aceleradas mutações sociais, culturais e políticas, por conflitos violentos e prolongados, por tragédias humanitárias, que não nos podem deixar indiferentes nem resignados», sublinha o CRC em texto enviado ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

«Convidámos personalidades que respeitamos, cristãos, não cristãos, crentes de outras religiões, ou não crentes, porque pensamos que a escuta e o diálogo são uma exigência para vermos com clareza e lucidez os desafios com que estamos confrontados, porque acreditamos que todos somos necessários para assegurar refúgio, hospitalidade e justiça a quem a procura», acrescenta a nota.

O CRC acredita «na bondade e ternura de Deus, por todos e cada um dos seres humanos», pelo que é necessário «reagir a uma cultura de indiferença, de exclusão e de violência, de contribuir para uma cultura de inclusão de proximidade, de diálogo olhos nos olhos».

«Perante tanto sofrimento evitável ou ultrapassável, perante tanto desespero, e ausência de esperança no futuro, somos chamados à coragem de dizer não ao intolerável, de contribuir com todos e todas para a construção concreta da esperança, de perceber as múltiplas dimensões da misericórdia», sublinha o CRC, que em 2015 assinalou 40 anos de existência.

Os cristãos, acentua o texto, «não podem esquecer o que este ano o Papa Francisco recorda: “Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai…a misericórdia tornou-se viva, visível e atingiu o seu clímax em Jesus de Nazaré”».

Os encontros, sempre com entrada livre, iniciam-se no dia 4 com Alfredo Bruto da Costa, frei José Nunes, o.p. e Maria Carlos Ramos, que falarão sobre os "Novos sinais dos tempos - O desafio da misericórdia".

"Povo a caminho - Refúgio, hospitalidade e justiça" reúne, a 11 de maio, José Magalhães, Rui Marques e Susana Ramos.

Joana Lopes Martins, Maria Julieta Mendes Pinto e Pedro Vaz Patto apresentam, no dia 18, as suas perspetivas sobre os "Diálogos contra a indiferença, e exclusão e a violência".

A iniciativa, que decorre no Centro Nacional de Cultura (Largo do Picadeiro, 10), com início marcado para as 18h30, termina a 25 de maio com Abdool Karim Vakil, Guilherme d'Oliveira Martins e Helena Valentim, que debatem o tema "Chamados à coragem - Dialogar olhos nos olhos".

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 02.05.2016

 

 

 
Imagem Dialogue 10 (det.) | Vasile Dobrian | 1993 | D.R.
Perante tanto sofrimento evitável ou ultrapassável, perante tanto desespero, e ausência de esperança no futuro, somos chamados à coragem de dizer não ao intolerável, de contribuir com todos e todas para a construção concreta da esperança, de perceber as múltiplas dimensões da misericórdia
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos