Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Arquitetura: Casa de S. Martinho de Dume

A Casa de S. Martinho de Dume, em Braga, de André de Moura Leitão Cerejeira Fontes e António Jorge de Moura Leitão Cerejeira Fontes (Cerejeira Fontes Arquitetos), é um edifício dedicado ao acolhimento de sacerdotes idosos.

Concluída em 2005, inclui 50 quartos individuais, “health club”, biblioteca, capela, enfermaria, áreas sociais, piscina interior e parque de estacionamento subterrâneo.

A proposta baseia-se num conceito “forte”: a um edifício em T foi adicionado um bloco secundário mais baixo, que envolve o primeiro, formando um pátio interior de um lado e abrindo o edifício para o jardim de outro.

Possui duas faces distintas: a Norte, uma fachada branca, uniforme, em tijolo de vidro, de luz; a Sul, uma fachada negra, variável, em lona e chapa pretas, que permite o controlo da luz solar, com varandas e limites claramente recortados.

Esta dualidade percebe-se no interior: uma luz uniforme e constante em todos os espaços de circulação; uma luz forte e de contrastes em todos os espaços privados e públicos de dormir e estar.

A sequência de espaços articula-se a partir de um ponto central, na intersecção dos braços do T, onde está o “foyer”. Daqui, temos a Sul e poente um corpo de quartos, a nascente a capela. Separando o ponto central dos braços há um vazio, com grandes  varandas cobertas de pé direito alto.

Estruturalmente, o edifício compõe-se por uma malha metálica regular, que define todos os espaços. Esta rede é interrompida em locais especiais: o “foyer” de entrada e a capela.

Urbanisticamente, a Casa de S. Martinho de Dume, com o edifício do Seminário no topo nascente, a residência episcopal no topo poente e a construção futura a edificar no lado Norte constituem uma alameda que enquadra e dignifica cada um dos edifícios existentes e a construir.

É assim criado um vazio interno simbólico onde se congregam os diversos momentos da vida sacerdotal: aprendizagem, a prática sacerdotal e o descanso e recolhimento no fim da vida.






 

Texto: D.R.
Publicado em 23.02.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos