Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Livro do Cântico dos Cânticos: O enigma da linguagem do amor…

Imagem D.R.

Livro do Cântico dos Cânticos: O enigma da linguagem do amor…

Como é que este texto, onde se articula um diálogo amoroso entre um homem e uma mulher, se presta à articulação de um diálogo entre Deus e o ser humano?

…No âmago da sabedoria e da poesia bíblica, sussurrada em diálogos e monólogos, somos convidados a escutar os sons do sonho e da realidade, onde o amor de um homem e de uma mulher se dizem sob a forma de uma parábola poética que se oferece à nossa perspicácia. De facto, as Escrituras estão atravessadas por diálogos e monólogos. No entanto, são sempre diálogos situados no seio de uma narrativa englobante, onde aqui e ali emerge um narrador que preside à narração. Um exemplo, relevante neste âmbito sapiencial, é o caso do Livro de Job, onde todos entramos pela mão de um narrador que nos diz: «Vivia na terra de Uz um homem chamado Job…» (Jb 1,1). Não é este o caso do Cântico dos Cânticos, onde o diálogo não aparece introduzido ou cadenciado por um narrador. Ninguém nos diz: «Ele disse…» ou «ela respondeu…». Ninguém nos informa quando ou mesmo se essas palavras foram pronunciadas. Nós somos conduzidos na leitura sem mediação alguma, e uma vez ultrapassado o limiar do título encontramo-nos expostos a palavras vivas, que não podemos neutralizar, dizendo que pertencem a esta ou àquela personagem da história bíblica…

A palavra, mas também a atração que impele os interlocutores do Cântico dos Cânticos um para o outro, é igualmente determinante para a diferença que sela o seu diálogo. A sua união realiza-se a um nível poético, nas metáforas que eles inventam um para o outro e um sobre o outro. Não estamos no mesmo nível de discurso, em que se situa Adão quando oferece um nome aos animais mudos (cf. Gn 2,20). O Adão e a Eva do Cântico dos Cânticos dão a si mesmos nomes de animais. Ele diz: «A uma égua entre os carros do Faraó eu te comparo, ó minha amiga» (Ct 1,9); «Minha pomba, nas fendas do rochedo, no escondido dos penhascos, deixa-me ver o teu rosto, deixa-me ouvir a tua voz. Pois a tua voz é doce e o teu rosto, encantador» (Ct 2,14). Ela responde: «O meu amado é semelhante a um gamo ou a um filhote de gazela. Ei-lo que espera, por detrás do nosso muro, olhando pelas janelas, espreitando pelas frinchas» (Ct 2,9). Aqui a linguagem constrói-se num face a face, vital no diálogo amoroso.

Na simetria deste diálogo, cada um se recebe da palavra do outro. Cada um é criador e pessoa, sem uma qualquer vantagem ou supremacia sobre aquele diante de quem está. Neste diálogo, não há lugar para dominação ou subordinação, nem qualquer estereótipo sobre um ou o outro sexo. Este diálogo amoroso emerge como um santuário de liberdade, onde os que se amam se expressam através de metáforas vivas e figuras inéditas. Amam-se numa atmosfera de liberdade e de igualdade, de um face ao outro, de um para o outro, num amor onde o carnal é espiritual e o espiritual é carnal, deixando à visibilidade das palavras a possibilidade de ser porta que nos aclara a invisibilidade de um amor que sustém e impele.

Estas palavras fazem com que este livro, normalmente fora do centro material da nossa atenção, constitua um extraordinário centro simbólico, onde o enigma que se propõe coincide com o enigma de toda a Escritura. O diálogo amoroso do Cântico é na verdade o de um homem e de uma mulher, espelho do que nós somos. Porém, no drama e na felicidade humana de uma existência dialogada, este diálogo propõe-se, também, como o espelho de toda a Escritura; palavra e existência dialogada entre Deus e o ser humano. Num diálogo que une a diferença entre um «tu» e um «eu», masculino e feminino, o Cântico dos Cânticos articula as palavras de uma aliança e de um amor transversal e fundador de toda a Escritura.

Por isso, a pergunta: mesmo que o Cântico dos Cânticos nos remeta, apenas, para a realidade de um profundo amor humano, quem ama como se ama no Cântico dos Cânticos? Ninguém! Somos tentados a responder! Ninguém, senão o Deus da aliança; ninguém senão o amor que precede todos os amores. Percebemos, então, que o amor humano cantado nas palavras do Cântico dos Cânticos transporta no seu âmago a linguagem de uma aliança e do amor que redime e precede todos os amores. Nesta compreensão, a linguagem literal do amor humano adensa-se e plenifica-se, tornando-se síntese do humano e do divino. A mesma síntese que em Cristo une a humanidade e a divindade, revelando, simultaneamente, o Deus e o ser humano. Este entrelaçamento de amores (divino e humano) é um dado intrínseco e transversal a toda a Revelação Bíblica.

Nesta Revelação, o Livro do Cântico dos Cânticos encontra o seu lugar ímpar e distinto, porque nos canta um amor entre o homem e a mulher, capaz de evocar simultaneamente o amor e relação entre Deus e Israel, Cristo e a Igreja. Arrebatados pela polifonia do humano e divino do Cântico, somos levados a dizer como Paulo: é grande este mistério (Ef 5,32). É insondável o plano de Deus sobre a existência humana e o amor com que ele cobre toda a humanidade. É misterioso este amor que precede todos os amores. O amor que salva está perto do amor que é salvo; proximidade que não permite colocar-se um face ao outro, ou um contra o outro, porque que ambos – amor divino e humano – existem para ecoar conjuntamente.

… É verdade, que nós, os leitores modernos, somos mais sensíveis hoje a uma dimensão antropológica, minimizada pelas primeiras interpretações alegóricas do judaísmo e cristianismo. Parecemos mais aptos a entender que não existe uma negligência do divino só porque nos detemos no humano da Palavra. Aceitamos, efetivamente, que as palavras humanas do Cântico constituam um lugar teológico. Porém, nem sempre estamos conscientes de que o modo como lemos os cantos, de amor maravilhado do amado e da amada, é determinante no modo como percebemos a unidade e o poder de um outro amor que sustem o mundo e conduz a história: o amor capaz de atravessar e superar as sombras de todas as infidelidades e fragilidades humanas.

Por isso, pode dizer-se, sem receio, que sem a experiência que o leitor crente tem do amor de Deus é impossível a inteligência plena do poema do Cântico dos Cânticos. Porque só o amor entende o amor. Em Jâmnia, no final do séc. I, Rabbi Aqiba, uma grande figura do judaísmo farisaico, conhecia este amor. Por isso, no meio de uma acesa disputa judaica sobre a sacralidade do Livro do Cântico dos Cânticos, ele ergueu um testemunho que o tempo nunca apagará: «Que jamais alguém, em Israel, conteste e diga que o Cântico dos Cânticos mancha as mãos. Porque o mundo inteiro não é digno do dia em que o Cântico dos Cânticos foi dado a Israel. Na verdade, todas as Escrituras são santas, mas o Cântico dos Cânticos é o Santo dos Santos».

 

Luísa Alemndra
Biblista
Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa
5.ª Jornada de Teologia Prática, Lisboa, 14.11.2014 (excertos)
Publicado em 16.11.2014

 

 
Imagem D.R.
Neste diálogo, não há lugar para dominação ou subordinação, nem qualquer estereótipo sobre um ou o outro sexo. Este diálogo amoroso emerge como um santuário de liberdade, onde os que se amam se expressam através de metáforas vivas e figuras inéditas
No drama e na felicidade humana de uma existência dialogada, este diálogo propõe-se, também, como o espelho de toda a Escritura; palavra e existência dialogada entre Deus e o ser humano
Nem sempre estamos conscientes de que o modo como lemos os cantos, de amor maravilhado do amado e da amada, é determinante no modo como percebemos a unidade e o poder de um outro amor que sustem o mundo e conduz a história
Pode dizer-se, sem receio, que sem a experiência que o leitor crente tem do amor de Deus é impossível a inteligência plena do poema do Cântico dos Cânticos. Porque só o amor entende o amor
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos