Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Música: Buxtehude, a via-sacra e a oração

Imagem Capa (det.) | D.R.

Música: Buxtehude, a via-sacra e a oração

Aos pés da cruz, onde se consuma o drama da paixão e morte do Salvador, e onde tem início o caminho de redenção de toda a humanidade. É aí que nos conduzem as cantatas que compõem o esplêndido ciclo “Membra Jesu nostri”, reflexões em música que o mestre Dietrich Buxtehude (1637-1707) dedicou aos membros lacerados do corpo de Cristo: partindo dos pés pregados, subindo pelos joelhos, as mãos, o flanco, o peito e o coração, até chegar até ao rosto.

As estações desta Via-sacra são interpretadas pelos músicos e 18 cantores do agrupamento Rosso Porpora, sob a sábia orientação de Walter Testolin, que comparou a partitura a «um longo percurso que começa com uma saída – as duas semicolcheias ascendentes de “Ecce super montes” – e termina com uma ascensão. É uma progressiva focalização, uma lenta tomada de consciência: uma sagrada representação».

Estamos perante um género de drama litúrgico que leva à cena as meditações sobre sete membros do “Corpo Místico”, a que correspondem igual número de cantatas, cujos textos foram atribuídos a Bernardo de Claraval, mas serão, com maior probabilidade, de Arnulfo de Lovaina (c. 1200-1250), a partir de excertos da Bíblia.

Cada trecho apresenta uma estrutura formal unitária ao longo de todo o arco da composição: subdividido em seis episódios, é introduzido por uma “sonata” instrumental, deixando depois espaço a um “concerto” (dedicado ao coro) que abre e depois fecha a secção dedicada às “árias”, confiadas a solistas.

A leitura de Testolin brilha pelo equilíbrio entre as partes, atenção às vozes e som, concertação, inspiração e intenção interpretativa. O resultado final restitui plenamente o sentido último de um imponente fresco poético-musical, alimentado passo a passo através de uma crescente tensão, obtida simbolicamente mediante um caminho de progressiva ascese que envolve o ouvinte até o colocar diante do “sagrado rosto” coroado de espinhos.

Testolin, para quem a questão da transmissão da emoção aos públicos contemporâneos é central, dá desta «lição de anatomia mística» (J.F. Labie) uma visão terna e humana, de tonalidade quase maternal.

O conceito de ciclo evoca as sublimes “Sete últimas palavras [de Cristo na cruz]", de Joseph Haydn, compostas cem anos mais tarde, embora musicalmente uma comparação talvez mais ajustada seriam as “Vésperas” de Monteverdi. Os três trabalhos são expressões de temor e reverência, e os ouvintes que apreciem este estilo de música como ajuda para a oração vão apreciar a composição de Buxtehude.

 

 

Andrea Milanesi/”Avvenire”
Com Steven Whitehead/http://www.crossrhythms.co.uk/;
Edição: Rui Jorge Martins:
Publicado em 04.03.2016

 

Título: Membra Jesu nostri
Compositor: Dietrich Buxtehude
Intérpretes: Ensemble Rossoporpora; Walter Testolin, dir.
Editora: Stradivarius
Duração: 65 min.
Referência: STR 37004

 

 
Imagem Capa | D.R.
O conceito de ciclo evoca as sublimes “Sete últimas palavras [de Cristo na cruz]", de Joseph Haydn, compostas cem anos mais tarde, embora musicalmente uma comparação talvez mais ajustada seriam as “Vésperas” de Monteverdi. Os três trabalhos são expressões de temor e reverência, e os ouvintes que apreciem este estilo de música como ajuda para a oração vão apreciar a composição de Buxtehude
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos