Pastoral da Cultura em movimento
Paisagens
Pedras angulares A teologia visual da belezaQuem somosIgreja e CulturaPastoral da Cultura em movimentoImpressão digitalVemos, ouvimos e lemosPerspetivasConcílio Vaticano II - 50 anosPapa FranciscoBrevesAgenda VídeosLigaçõesArquivo

Cinema

Bispo de Setúbal e Associação Católica Mundial para a Comunicação homenageiam Festroia

O bispo de Setúbal, D. Gilberto Reis, e a Signis - Associação Católica Mundial para a Comunicação, homenagearam este sábado o festival de cinema Festroia, que 2014 assinalou a sua 30.ª edição.

Na cerimónia de encerramento, anúncio e entrega dos prémios, que decorreu na noite de sábado no Fórum Luísa Todi, em Setúbal, o prelado deu à diretora do festival, Fernanda Silva, a distinção atribuída pela Signis, anuncia hoje um comunicado do júri católico.

Na mesma nota, os jurados da Signis presentes no Festroia, que termina este domingo, recordam que a presença da Igreja católica no festival foi estabelecida há mais de 25 anos com o fundador da iniciativa, o jornalista Mário Ventura (1936-2006).

«Foi Francisco Perestrelo, com o acordo do P. António Rego, que estabeleceu os contactos com o festival. Devido a circunstâncias imprevistas, eles não puderem estar aqui para serem homenageados», assinala o documento.

As distinções para as duas personalidades foram confiadas ao bispo de Setúbal, que as fará chegar aos destinatários.

A Associação Católica Mundial para a Comunicação, representada em Portugal pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, sublinha que o Festroia congregou pessoas da região de Setúbal, de Portugal e do estrangeiro através da cultura cinematográfica, além de promover «valores humanos e a amizade».

«Quem poderia imaginar, há 30 anos, que na noite do início do campeonato do mundo [de futebol] no Brasil, centenas de setubalenses, com críticos e realizadores, estariam sentados num restaurado teatro Luísa Todi para ver um filme austríaco sobre a comunidade turca em Viena. (...) Ninguém», realça o comunicado.

O texto refere-se ao filme "Fendas no betão", de Umut Dag, exibido na quinta-feira, após uma «excelente curta-metragem portuguesa feita na Roménia por um cineasta de Setúbal» ("Luminita", de André Marques).

O que o Festroia conseguiu «não é um milagre, mas resulta do trabalho árduo e empenho da direção do festival», realçam os jurados, acrescentando que o último congresso mundial da Signis, que decorreu entre 25 de fevereiro e 1 de março, em Roma, «decidiu prestar um tributo a Fernanda Silva para homenagear toda a equipa do festival».

A Signis tem representações em mais de 100 países, marcando também presença em 40 festivais internacionais de cinema, como o Festroia, o único em Portugal, Veneza, Berlim, Cannes, San Sebastian, Zanzibar, Miami, Havana e Hong Kong.

O júri católico foi composto pelo padre Daniel Nascimento, da diocese de Setúbal, Szabolcs Gebauer (Hungria) e Guido Convents (Bélgica).

O Festroia foi criado em 1985 como Festival Internacional de Cinema de Tróia, com a intenção de divulgar cinematografias desconhecidas do público português.

A “Secção Oficial”, avaliada pelo júri Signis, é composta por filmes de países que não produzem mais de 30 longas-metragens por ano.

 

Rui Jorge Martins
© SNPC | 15.06.14

Redes sociais, e-mail, imprimir

Festroia

 

 

 

Página anteriorTopo da página

 


 

Receba por e-mail as novidades do site da Pastoral da Cultura


Siga-nos no Facebook

 


 

 


 

 

Secções do site


 

Procurar e encontrar


 

 

Página anteriorTopo da página