Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Bispo responsável pela relação da Igreja com a cultura alerta para «descaracterização da presença do cristianismo» em Portugal

Imagem © Sergey Peterman/Fotolia

Bispo responsável pela relação da Igreja com a cultura alerta para «descaracterização da presença do cristianismo» em Portugal

Um papa próximo, afetivo e preocupado com o mundo: é desta forma que o bispo responsável pela relação da Igreja católica em Portugal com o mundo da cultura descreve o encontro que teve com Francisco, no âmbito da visita que a maioria do episcopado nacional realizou ao Vaticano na última semana.

Em declarações ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, recolhidas antes do regresso a Portugal, D. Pio Alves também falou do encontro com o presidente do Pontifício Conselho da Cultura, cardeal Gianfranco Ravasi, explicando as seis áreas prioritárias de ação da Igreja que o prelado italiano apontou.

Referindo-se ao abandono de jovens da Igreja após celebrarem o Crisma, que o papa mencionou no discurso ao episcopado, o presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais alertou para o perigo de a progressiva perda de identidade cristã que o fenómeno pode causar no futuro resultar na «descaracterização da presença do cristianismo na sociedade».

O bispo auxiliar do Porto, que participou pela primeira vez numa visita "ad limina", afirmou que volta a Portugal «fortalecido» na convicção de que a Igreja não se pode «fechar» nas pessoas que circulam no âmbito das suas atividades, mas que tem de «saber ir ao encontro» de todos.

A concluir esta entrevista, D. Pio Alves dirige uma mensagem aos agentes que, por motivos pessoais ou com mandato pastoral, estão envolvidos na Pastoral da Cultura.

A maior parte dos bispos do episcopado nacional realizou na última semana a visita "ad limina" ao Vaticano, jornada que os membros dos episcopados nacionais realizam, normalmente a cada cinco anos, para rezar junto dos túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo e reunir-se com o papa e altos responsáveis de departamentos da Santa Sé.

Dos 43 bispos em Portugal (20 residenciais, 1 administrador apostólico, um coadjutor, sete auxiliares e 14 eméritos), 38 participaram nesta visita "ad sacra limina apostolorum" (aos sagrados túmulos dos apóstolos), incluindo o P. José Ornelas Carvalho, que Francisco nomeou recentemente bispo de Setúbal, refere a Agência Ecclesia.

 

Do ponto de vista espiritual, qual o momento da visita "ad limina" que mais o sensibilizou?

A título pessoal, e não como representante da Conferência Episcopal Portuguesa, o mais significativo para mim foi o encontro com o papa.
Tratou-se de um momento assumidamente informal por parte do papa, em que ele, ao responder às nossas perguntas, falou das suas preocupações, relacionadas não só com a vida interna da Igreja, mas principalmente com o rumo que o mundo leva, muito concretamente devido à desistência ou inoperacionalidade das grandes estruturas internacionais. E notava-se que o papa sente o peso do mundo e a obrigação de ajudar com o seu contributo, e o de todos, a que se encontrem respostas aos grandes problemas que afligem camadas significativas das populações, tendo à vista, por exemplo, o fenómeno das migrações.
O encontro com o papa foi importante para mim pelo seu conteúdo e, principalmente, pelo afeto e proximidade, em que se descobre que as notas a ele relativas que dominam na apreciação pública global não são teoria, mas verdade: o papa é, de facto, uma pessoa próxima, afetiva e que sabe olhar muito para além dos problemas mais imediatos da Igreja.

 

E do ponto de vista da cultura, qual foi o momento mais alto desta visita?

No que diz respeito mais diretamente à cultura, para mim teve particular significado o encontro com o Conselho Pontifício para a Cultura, presidido pelo senhor cardeal Ravasi, em que também esteve presente o senhor D. Carlos Azevedo.
O cardeal Ravasi escutou com muita atenção o resumo do que têm sido as atividades ao longo dos últimos 10 anos dos dois Secretariados que têm a ver com este Conselho Pontifício, o da Pastoral da Cultura e o dos Bens Culturais.
O senhor cardeal apreciou o facto de que o trabalho realizado tenha tido como preocupação predominante não de modo imediato as pessoas, digamos assim, que estão dentro da Igreja, mas todo o diálogo efetuado com pessoas com formação cristã que, pelas mais variadas razões, têm seguido outros rumos.
Eu tive oportunidade de fazer referência aos diferentes mundos das artes, da cultura e da comunicação social que, ao longo destes anos, têm vindo a fazer uma aproximação à Igreja católica por via das relações estabelecidas com as pessoas dos diversos setores destes dois secretariados.
Sei que o senhor cardeal apreciou muito as boas relações institucionais que têm vindo a consolidar-se com instituições culturais e, de modo muito especial, no que diz respeito ao Secretariado para os Bens Culturais, as relações com diversas instâncias de autoridades civis. É um modo muito concreto de aplanar dificuldades.
O senhor cardeal sublinhou que este modo de trabalhar tem grande proximidade com uma realidade muito cara ao Conselho Pontifício, que é o Átrio dos Gentios [plataforma da Igreja católica para o diálogo entre crentes e não crentes].
Na segunda parte do encontro, o senhor cardeal referiu-se a seis aspetos muito concretos que, à primeira vista, parece que não têm uma relação direta com a cultura, mas que estão nos projetos do Conselho.
No que diz respeito à arte, recomendou-nos que estivéssemos muito atentos - e nós temos estado, na medida do possível - às novas manifestações artísticas, e não simplesmente à área do restauro do património herdado. A proximidade aos atuais artistas é uma preocupação do Conselho, e continuará a ser uma preocupação nossa.
Fez também uma referência, em contexto alargado, ao diálogo entre fé e razão, com particular atenção ao mundo das ciências.
Outra nota que o senhor cardeal Ravasi desenvolveu, e que eu percebi que já tem uma evolução notável, é a preocupação com o mundo do desporto, nas suas manifestações culturais, concretamente ajudando a superar tudo o que tem vindo a ser, em bastantes áreas, a descaracterização do universo desportivo quando é visto como mera atividade comercial e financeira, tornando-se, em muitos casos, uma porta para a corrupção.
Num quarto momento, salientou a pluralidade das culturas, tendo referido a importância da atenção às culturas juvenis e à cultura do feminino.
Realçou, ainda, a relação com a economia, e todo o trabalho que quem, na Igreja, tem mais preocupações culturais, deve desenvolver com aquele sector, não no trabalho específico na área económica, mas tendo como pano de fundo a relação entre fé e ciência, contribuindo, neste âmbito, para que a economia não enverede por caminhos que nada têm a ver com o cristianismo.
Por fim, foi sublinhada a intenção do Conselho Pontifício de manter vivo o Átrio dos Gentios, tendo em atenção a pluralidade de modos de olhar para a cultura.

 

O discurso do papa Francisco ao episcopado fez referência a uma "fuga" dos jovens da Igreja após a celebração do Crisma. Que implicações tem esta tendência no cristianismo em Portugal, hoje e no futuro?

A preocupação do papa é um eco daquilo que são as nossas preocupações, que foram manifestadas nos relatórios enviados pelas dioceses para a Santa Sé.
É um facto incontornável que, na Igreja em Portugal, conseguimos uma razoável - mas não completa, nem pouco mais ou menos - permanência dos adolescentes e jovens na catequese. Todos nós verificamos que nas dioceses não há uma adesão massiva à catequese para a primeira Comunhão, mas há níveis muito altos de frequência. Há uma quebra após a primeira Comunhão, uma quebra depois da profissão de fé, e há uma quebra - por vezes debandada, assim dito de um modo dramático - por ocasião do Crisma.
Entre nós há a consciência de que temos de ajudar as pessoas a perceber, em primeiro lugar, que a catequese desenvolvida ao longo dos 10 anos previstos na esquematização feita em Portugal não é, simplesmente e prioritariamente, uma aula, uma teoria, uma transmissão de conteúdos, mas deve estar ao serviço do encontro com Jesus Cristo.
Provavelmente reside aqui uma das explicações para que, depois de "aprendida a lição", as pessoas se sintam dispensadas de continuar, dado que já aprenderam o que havia para aprender.
Temos de conseguir que o encontro com Jesus Cristo como centro da catequese seja uma realidade, e isso só se consegue, fundamentalmente, pela valorização da decisiva importância do catequista como testemunha, e não, simplesmente, como mero transmissor material e intelectual da fé.
Além disso, como já vem acontecendo em muitas paróquias, mas que é preciso incrementar, temos de encontrar maneiras de garantir acompanhamento aos jovens após o Crisma, aproveitando situações como a preparação para o sacramento do Batismo, e muito especialmente para o sacramento do Matrimónio, e principalmente criando condições para que, em grupo ou individualmente, essas pessoas possam continuar a ser acompanhadas, respeitando, obviamente, a sua liberdade.
Está aqui uma tarefa enorme que temos de continuar a desenvolver, para que o esforço enorme que é feito para garantir 10 anos de catequese, não se perca. É verdade que nunca se perde porque é semente que fica e que desabrochará onde e quando Deus quiser. Mas do ponto de vista estatístico, há, de facto, uma fuga, uma perda considerável das pessoas e dos esforços feitos.

 

Essa perda tem implicações a nível cultural?

É evidente que sim, na medida em que as pessoas se possam ir descaracterizando como cristãs; se essa tendência ocorrer, isso terá reflexo na vida profissional, na vida familiar, nas relações pessoais. Somadas as descaracterizações uma a uma, resultará numa descaracterização da presença do cristianismo na sociedade.

 

Que intuições traz, do ponto de vista da Pastoral da Cultura, desta visita "ad limina"?

Sinto-me muito fortalecido na ideia de que não nos podemos fechar sobre quem, mais ou menos, circula no âmbito das nossas atividades, mas que, respeitando as diferenças, temos de saber ir ao encontro das pessoas, oferecendo possibilidades, aproveitando muito aquilo que já são as portas abertas por quem, devido a razões pessoais ou de trabalho, tem já relação com o mundo da cultura.
Temos de continuar a manter as portas abertas. O Santo Padre fez referência às igrejas de portas abertas, mas isso tem um sentido mais amplo, ou seja, não basta ter as portas abertas esperando que as pessoas entrem, mas temos de ir à procura das pessoas e mostrar-lhes aquilo que, não por mérito pessoal, temos para lhes dar, porque é a herança que recebemos de Jesus Cristo e dos nossos antepassados.
Trata-se de continuar a potenciar a abertura a todos os mundos, a abertura a todas as pessoas, uma abertura que não é permissividade mas que implica a busca, a oferta, o ir ao encontro.

 

Prestes a regressar a Portugal da visita "ad limina", que mensagem gostaria de dirigir a quem está envolvido na Pastoral da Cultura em Portugal?

É imprescindível que tenhamos consciência das dificuldades que existem e das resistências que encontramos. Mas tudo isso não pode ser justificação para qualquer espécie de desânimo; pelo contrário, temos de dar graças a Deus e, ao mesmo tempo, saber que os dons recebidos não têm uma finalidade exclusivamente pessoal, mas, com enorme respeito por todas as pessoas e pelas suas condições, temos de continuar a ir ao encontro, fazendo o melhor possível, de acordo com o meios materiais disponíveis, não justificando alguma tentação de paralisia pessoal pelo facto de os recursos não serem grandes - nunca, na Igreja, as coisas ficaram paradas por falta de recursos materiais. Quando há vontade e clarividência, os recursos materiais acabam por aparecer à medida das necessidades.
A minha palavra é uma palavra de realismo e de esperança, uma esperança carregada de responsabilidade.

 

Rui Jorge Martins
Publicado em 13.09.2015

 

 

 
Imagem © Sergey Peterman/Fotolia
Notava-se que o papa sente o peso do mundo e a obrigação de ajudar com o seu contributo, e o de todos, a que se encontrem respostas aos grandes problemas que afligem camadas significativas das populações, tendo à vista, por exemplo, o fenómeno das migrações
O senhor cardeal Ravasi apreciou o facto de que o trabalho realizado tenha tido como preocupação predominante não de modo imediato as pessoas, digamos assim, que estão dentro da Igreja, mas todo o diálogo efetuado com pessoas com formação cristã que, pelas mais variadas razões, têm seguido outros rumos
No que diz respeito à arte, recomendou-nos que estivéssemos muito atentos - e nós temos estado, na medida do possível - às novas manifestações artísticas, e não simplesmente à área do restauro do património herdado. A proximidade aos atuais artistas é uma preocupação do Conselho, e continuará a ser uma preocupação nossa
Temos de conseguir que o encontro com Jesus Cristo como centro da catequese seja uma realidade, e isso só se consegue, fundamentalmente, pela valorização da decisiva importância do catequista como testemunha, e não, simplesmente, como mero transmissor material e intelectual da fé
O Santo Padre fez referência às igrejas de portas abertas, mas isso tem um sentido mais amplo, ou seja, não basta ter as portas abertas esperando que as pessoas entrem, mas temos de ir à procura das pessoas e mostrar-lhes aquilo que, não por mérito pessoal, temos para lhes dar, porque é a herança que recebemos de Jesus Cristo e dos nossos antepassados
É imprescindível que tenhamos consciência das dificuldades que existem e das resistências que encontramos. Mas tudo isso não pode ser justificação para qualquer espécie de desânimo
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos