Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Basílicas de S. Pedro e papais de Roma filmadas a três dimensões

Imagem Póster (det.) | D.R.

Basílicas de S. Pedro e papais de Roma filmadas a três dimensões

O Centro Televisivo do Vaticano, em parceria com a Sky 3D, exibiu em cinemas de mais de 30 países o novo filme “As basílicas de S. Pedro e papais de Roma em 3D”, dando a conhecer com nova perspetiva os tesouros artísticos das quatro igrejas.

Além da basílica de S. Pedro, um dos 25 destinos mais visitados a nível mundial, a produção centra-se nas basílicas de S. João de Latrão, Santa Maria Maior e S. Paulo Extramuros.

O filme estende-se desde a basílica cristã dos primeiros séculos sobre a qual foi erigida a de S. Pedro, «até à grandeza do Barroco, através de trabalhos preciosos da arte medieval e renascentista», refere um comunicado de imprensa.

A narrativa é acompanhada por citações de Stendhal (1783-1842), conhecido escritor francês que visitou as quatro basílicas no princípio do século XIX, explica a nota.

O diretor dos Museus do Vaticano, Antonio Paolucci, orienta o espetador na visita à basílica de S. Pedro, enquanto o arquiteto Paolo Portoghesi analisa a igreja de S. João de Latrão.

O historiador de arte Claudio Strinati revela a história da basílica de Santa Maria Maior, onde Francisco se dirige para rezar antes e após as suas viagens apostólicas internacionais, e a diretora da coleção de arte contemporânea dos Museus do Vaticano, Micol Forti, apresenta S. Paulo Extramuros.

A produção teve acesso a espaços raramente visitados pelo grande público, e os especialistas propõem a sua perspetiva sobre a evolução das quatro basílicas ao longo dos séculos, comentando as mais conhecidas obras de arte e as vidas de papas e artistas.

«Esculturas, pinturas, altares e mosaicos serão os protagonistas desta viagem à arte, à história e à cultura de Roma. Obras antigas, algumas das quais sobreviveram a incêndios e à destruição generalizada, criam um laço único entre presente e passado», lê-se na página do documentário.

Giotto, Bramante, Miguel Ângelo, Bernini, Fontana são alguns dos muitos criadores que contribuíram para tornar as igrejas papais espaços de «profunda espiritualidade».

«O poder da tecnologia, usado nas mais avançadas produções filmográficas, tornou possível gravar imagens espantosas de novos e exclusivos pontos de vista, graças também à utilização de helicópteros e braços mecânicos», realçam os produtores.

A “Pietá” de Miguel Ângelo, filmada pela primeira vez do outro lado da sua proteção envidraçada, as inscrições no túmulo de S. Pedro feitas por peregrinos e a cúpula da basílica de S. Pedro, que as câmaras registaram a curta distância, são algumas das imagens exclusivas do filme, rodado com as igrejas fechadas ao público.

O documentário de 90 minutos é enriquecido por modelos a três dimensões de reconstruções gráficas baseadas nos projetos originais, alguns dos quais estão guardados no Arquivo do Vaticano.

 




 

Rui Jorge Martins
Publicado em 20.07.2016

 

 

 
Imagem Póster | D.R.
«O poder da tecnologia, usado nas mais avançadas produções filmográficas, tornou possível gravar imagens espantosas de novos e exclusivos pontos de vista, graças também à utilização de helicópteros e braços mecânicos»
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos