Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Ascensão: Que fizemos da mensagem de Cristo?

As narrativas são diferentes mas a mensagem é a mesma: depois das aparições, o Ressuscitado subiu aos céus deixando aos discípulos o encargo de ir por toda a parte a anunciar a Boa Nova e fazer novos discípulos. A estratégia deveria ser sempre a do amor tornado serviço em favor dos irmãos, em especial dos mais carenciados. A tentação de ficar a olhar para o céu, como quem fica cristalizado ao contemplar o passado, foi logo denunciada pelos homens vestidos de branco. Os discípulos não tiveram outro remédio senão o de assumir a obra do Mestre sob a orientação do Espírito Santo.

Eles partiram a «pregar por toda a parte. O Senhor colaborava…». Nem tudo correu bem, nem foi perfeito, ainda assim a comunidade cresceu surpreendentemente. A mensagem encarnou nos mais variados contextos. Adaptou-se infinitamente. Assumiu um rosto. Uma cultura. Resistiu às múltiplas adversidades, dando um inesperado alento às vítimas de cruéis perseguições. Por vezes, também foi capaz de superar a tentação triunfalista distanciando-se da linguagem dos poderosos. Recomeçou de novo, uma e outra vez. Sobreviveu, enfim, à prova do tempo e todos os dias bate à nossa porta. Chegou até nós como na manhã de Páscoa. Interpela-nos.

Esta mensagem, no entanto, a avaliar pelo decréscimo de fiéis praticantes no Ocidente, parece ter perdido o encanto na cultura dominante. Onde está a força divina que a caracteriza? Alguns dizem que ela já não faz falta porque o homem «não precisa de Deus». Outros dizem simplesmente que nos tornamos reféns de um céu oferecido pelo materialismo. O carismático fundador da comunidade de Bose, E. Bianchi, comentou recentemente que «estamos a viver um destes momentos de anestesia social e histórica. O problema é que todos, inclusive os jovens que geralmente são uma força de transformação, hoje estão muito homologados por esta cultura da sociedade de consumo» (In "Público", 6/5/18).

O contexto, no entanto, não explica tudo. Não explica, por exemplo, os processos subjacentes à atitude do crente que se contenta com uma catequese pobre e cruza os braços, meio resignado meio indiferente, em relação à procura autêntica de Deus. Não explica o afã pelo esotérico, pelas propostas de uma espiritualidade alternativa, por vezes até pouco sadia.

A mensagem de Jesus é intemporal. Nós somos os seus herdeiros e os instrumentos através dos quais ela pode chegar «a toda a parte». Não há alternativa. Lembro-me da velha anedota do anjo que vendo Jesus chegar ao céu, em dia de ascensão, perguntou-lhe, surpreendido, o que fazia ali, tão cedo, quando devia estar entre os homens, na Terra, a pregar e a curar... Jesus explicou-lhe que tinha sido crucificado… «Então», disse o anjo, «a tua missão foi um fracasso. Acabou tudo. Não temos alternativa!». Ao que Jesus lhe terá respondido: «Não, existe uma alternativa: a missão continua graças aos meus discípulos». Graças aos discípulos.



 

P. Nélio Pita, CM
Imagem: "A ascensão de Cristo" (det.) | Rembrandt | 1636 | Alte Pinakothek, Munique, Alemanha
Publicado em 13.05.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos