Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Ao serviço do Bem Comum!

Ao serviço do Bem Comum!

Imagem Lucky Team Studio/Bigstock.com

Nos últimos tempos, pelas mais diversas razões, temos vivido tempos de mudança aos mais variados níveis. Vivemos tempos de mudança e de incerteza política e económica ao nível mundial e vivemos também a morte de diferentes pessoas mais ou menos próximas e familiares para todos nós. Por exemplo, muito recentemente, no espaço de poucas horas, vivemos o fim da vida de Mário Soares, Guilherme Pinto e Daniel Serrão. Vidas completamente diferentes, muitas vezes apoiadas, e tantas outras criticadas, mas na hora da morte destacadas e respeitadas de forma unânime.

É verdade que em Portugal parece existir o costume de todas as pessoas serem vistas como boas apenas depois de morrerem mas, nos casos referidos, este respeito e reconhecimento unânime, é bem mais profundo, social e humanamente enraizado porque radicado num aspecto comum: foram vidas vividas ao serviço do bem comum!

De facto quando nos focamos num bem maior, num bem comum, é muito mais o que nos une do que aquilo que nos separa. E hoje aquilo que provavelmente vivemos é mais uma transição de gerações, uma mudança de época, onde as marcas deixadas nos colocam desafios presentes e futuros. Viver ao serviço do bem comum implica muitas vezes construir apesar das divergências, sonhar e caminhar para lá das contingências, saber aceitar oposições e críticas, ser humilde nas decisões menos positivas.  Com estes traços estas e outras vidas marcam-nos o desafio do inconformismo que combate a indiferença, e os falsos consensos, que mais não são do que unanimismos conjunturais e efémeros que evitam a discordância que pode levar a opções por caminhos diferentes mas para a mesma meta, para o mesmo fim, o Bem Comum como ideal.

E agora? Será provavelmente a pergunta que muitos faremos nestes momentos. Poderemos responder centrando-nos no saudosismo do passado porque “nesse tempo é que era bom”; poderemos centrar-nos no nosso bem-estar individual ficando indiferentes a tudo o mais; poderemos ficar na nossa impotência individualmente vivida; ou poderemos acreditar que “nenhuma dificuldade pode ser superior à nossa vontade de a vencer (...). Sei que não vencerei a morte mas estar vivo não é uma dificuldade, é um privilégio” (Prof. Daniel Serrão).

Agora é hora de sermos nós a assumir o privilégio de viver no contexto atual ao serviço do bem comum. É pelo bem comum que vamos, e que poderemos ser, na nossa diversidade e na nossa diferença, mas nunca na indiferença nem na desesperança. Gratos pelos vidas entregues sejamos capazes de com esperança continuar e aprofundar a construção de uma Vida digna para todos como bem comum.



 

Henrique Joaquim
Universidade Católica Portuguesa, presidente da Comunidade Vida e Paz
Publicado em 11.01.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos