Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Anúncio da misericórdia de Deus está antes do enunciado da lei, diz papa aos catequistas

Não se pode «antepor a lei, mesmo a moral, ao anúncio tangível do amor e da misericórdia de Deus», frisou o papa em mensagem vídeo dirigida aos 1500 participantes no II Congresso Internacional de Catequese, que decorre no Vaticano.

«Por favor, na comunicação da fé, não cair na tentação de inverter a ordem com a qual desde sempre a Igreja anunciou e apresentou o “kerigma”», pediu Francisco, referindo-se aos conteúdos nucleares da fé cristã que o evangelizador é chamado a transmitir em primeiro lugar.

O papa vincou que «não se podem esquecer as palavras de Jesus: “Não vim para condenar, mas para perdoar”» e alertou que «não se pode supor impor uma verdade da fé prescindindo do chamamento à liberdade que aquela comporta».

No «contexto de indiferença» religiosa que marca a contemporaneidade, o catequista «não pode esquecer» que «a sua palavra é sempre um primeiro anúncio» que «toca o coração e a mente de muitas pessoas que estão na expetativa de encontrar Cristo».

Dirigindo-se aos participantes oriundos de 48 países, incluindo Portugal, muitos acompanhados por bispos, o papa reiterou que o catequista não é um professor e a catequese não é uma lição.

«A catequese é a comunicação de uma experiência e o testemunho de uma fé que acende os corações, porque insere neles o desejo de encontrar Cristo», assinalou.

Além do testemunho, o anúncio não se esgota no ensino de conteúdos: «É preciso que o catequista compreenda, portanto, o grande desafio de como educar para a fé, em primeiro lugar, quantos têm uma identidade cristã frágil e, por isso, precisam de proximidade, de acolhimento, de paciência, de amizade».

«Como seria útil para a Igreja se as nossas catequeses se baseassem no fazer colher e viver a presença de Cristo que age e opera a nossa salvação, permitindo-nos experimentar desde já a beleza da vida de comunhão» com Deus, apontou.


 

Rui Jorge Martins
Fonte: Vatican News
Imagem: GeorgeRudy/Bigstock.com
Publicado em 22.09.2018

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos