Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Andamos para trás quando não andamos para a frente

Andamos para trás quando não andamos para a frente

Imagem Letchworth, A estrada (det.) | Spencer Gore | 1912 | Tate Modern, Londres, Inglaterra | D.R.

«Não somos o que deveríamos ser, não somos o que queríamos ser, e também não somos o que seremos um dia. Mas graças a Deus não somos o que éramos.»

Assim falava aos afro-americanos dos EUA Martin Luther King, assassinado em 1968 com apenas 39 anos, depois de uma vida dedicada a defender os direitos civis da população negra.

As suas palavras podem também tornar-se base para uma reflexão mais geral sobre a vida de cada um de nós. Se nos examinarmos em profundidade, devemos com sinceridade reconhecer que estamos longe do ideal da pessoa justa que é desenhado nas Sagradas Escrituras ou, pelo menos, de acordo com os princípios fundamentais da ética natural.

Também estamos longe de ter realizado muitas resoluções e projetos (o que "queremos ser"), assim como estamos longe da meta que, mais cedo ou mais tarde, com esforço e fidelidade, alcançaremos.

Esperamos, contudo, poder repetir: «Graças a Deus não somos o que éramos». Ou seja, não voltámos atrás, caminhando ao contrário na estrada da justiça, abandonando posições conquistadas, retrocedendo por comodidade e inércia.

Na verdade, há uma atração em relação ao passado que faz perder a enegria para prosseguir e nos bloqueia, como a mulher de Lot que olha para trás e se detém para sempre.

João Cassiano, um escritor espiritual que viveu nos séculos IV-V, nas suas "conferências" destinadas aos monges, advertia: «Estamos seguramente a andar para trás quando nos damos conta de que não andámos para a frente: a alma não pode permanecer parada».

É um convite a recolher para voltar o nosso olhar para a frente, para um horizonte mais alto, aquele que precisamente nos mostra como "devemos ser".

Com efeito, é paradoxal que, num mundo tão frenético como é o moderno, o espírito seja lento e preguiçoso, dado a parar. O cristianismo é por excelência espera e tensão porque não temos aqui a pátria definitiva.



 

P. (Card.) Gianfranco Ravasi
In "Avvenire"
Trad.: SNPC
Publicado em 16.12.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos