Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

A tesoura e a agulha

A tesoura e a agulha

Imagem ADragan/Bigstock.com

«Um dia o rei foi ter com o grande místico Farid. Inclinou-se e ofereceu-lhe um par de tesouras incrustadas de diamantes. Farid admirou-as mas restituiu-as ao visitante: “Obrigado pelo magnífico presente, mas eu não faço uso delas. Dá-me antes uma agulha.”

“Mas se precisas de uma agulha, as tesouras também te serão úteis”, replicou o rei. “Não – explicou Farid –, as tesouras cortam e separam. Uma agulha, ao contrário, coze e une o que estava separado. O meu ensinamento é fundado no amor e na comunhão. Preciso de uma agulha para voltar a cozer a unidade, e não de tesouras para cortar e dividir”.»

Este apólogo da tradução muçulmana sufi, extraído das “Parábolas do Oriente e do Ocidente”, de Jean Vernette, é ao mesmo tempo um desejo e um compromisso.

É, antes de tudo, um desejo para o ano que está para nascer, para que os seres humanos usem menos as tesouras da divisão: já rasgaram suficientemente o tecido da humanidade comum, estilhaçando-o em muitas sobras dispersas. E é também um compromisso a tomar a agulha entre os dedos, inserindo-lhe a linha do diálogo.

As nossas palavras têm procurado precisamente usar o mais possível esta agulha, fazendo encontrar vozes diversas, culturas distantes, experiências variadas. Sabemos que pode estar sempre à espreita o risco do sincretismo, da “homogeneização” espiritual, inofensiva mas insípida.

É por causa deste perigo que nunca escondemos o ângulo de visão onde nos situamos, deixando quase sempre aflorar uma referência à Bíblia, que é a nossa carta de identidade espiritual e cultural.

Todavia consideramos – no rasto do empenho incessante pela paz e pelo diálogo entre os povos promovido por João Paulo II [e Bento XVI e Francisco] – conceder o primado àquilo que “coze” a civilização, o amor e a comunhão, aliás centrais na mensagem evangélica.

O fio a usar nessa agulha é um só: «O início do amor pelo próximo está em aprender a escutar as suas razões» (Dietrich Bonhoeffer).



 

P. (Card.) Gianfranco Ravasi
In Avvenire (31.12.2003)
Trad. / edição: SNPC
Publicado em 30.12.2017

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos