Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

A escrava

Imagem D.R.

A escrava

O século XIX foi profícuo no surgimento de congregações religiosas, principalmente femininas, chamadas de "vida ativa", cujos fundadores e fundadoras, confrontadas com as pobreza(s) da época que afetavam os mais diferentes setores da sociedade, decidiram servir a Deus na entrega da vida aos irmãos mais necessitados.

Daí o florescimento do imenso leque de carismas fundacionais, plenos de vigor, audácia e frescura profética, caminhando decididamente para as periferias da humanidade, no ensino, na saúde, na marginalidade, entre outros.

Como às vezes se diz em tom jocoso, «nem o Espírito Santo sabe quantas congregações Religiosas haverá» - dada a enorme variedade de estilos de vida, hábitos, atividades.

As fundadoras de algumas congregações religiosas (também a que eu pertenço), desejando exprimir veementemente o espírito de que estavam imbuídas e a mais genuína doação das suas vidas, quiseram apelidar-se de «Escravas». 

E aí as temos ainda hoje, utilizando este nome (após a abolição da escravatura): escravas do Sagrado Coração de Jesus, escravas da Santíssima Eucaristia, escravas do Santíssimo Sacramento e da Caridade, entre muitas outras.

Algumas congregações até já pensaram abolir o nome de «escravas», substituindo-o pelo de «servas»… mas tal não foi possível devido ao desagrado da maioria dos seus membros, os quais se reveem no significado e no simbolismo, o que lhes faz todo o sentido para continuar a mantê-lo.

Aqui chegados, é caso para dizer «escravas há muitas». Na minha congregação diz-se que «nós o somos por opção», facto que nos coloca determinantemente ao serviço da libertação daquelas que o são «à força»... pois com certeza.

Santa Maria Micaela dizia que «somos escravas do amor», e que este «não é um nome vazio, é real e verdadeiro».Para especificar melhor o seu pensamento, acrescentava: «Estamos presas ao sacrário como que por uma corrente, igual à que os escravos o estão aos seus donos».

E assim, todos os dias, nos acontecimentos extraordinários e nos mais banais; sempre aprendendo na Eucaristia a «tomai e comei… aqui está o meu Corpo, o meu Sangue, a minha vida, entregue por vós».

Também Maria, mãe de Jesus, não encontrou melhor fórmula para se descrever a si própria: «Eis aqui a escrava do Senhor. Faça-se em mim…». E acrescentaria que «Ele enaltece os humildes».

Uma outra Maria (como tantas outras) voou para Portugal nas asas do sonho, entre nuvens escuras que ela acreditava se tornariam brancas como a neve ao aterrar no país à beira mar plantado. Mas não! As nuvens que a esperavam no destino, eram terríficas. As promessas converteram-se em pesadelos infernais. Presa (sequestrada) dentro de uma casa isolada, com o portão, as portas e as janelas fechadas a cadeado, era-lhe dito e redito centenas de vezes: «Tu nasceste escrava, e é assim que eu te trato». As violências de toda a ordem (sexual, física, psicológica), com o constante relembrar da sua condição: «Escrava não fala», repetia-lhe o dono de cada vez que abusava dela.

Para dar o salto da pobreza para a fantasiada riqueza de recursos e de oportunidades, Maria teve de submeter-se à força a um casamento de conveniência. Tudo legal e tudo ilícito; tudo promissor e tudo falso; tudo luxuoso e tudo sombrio no meio da pacatez rural, apenas suavizada com a contemplação das verdejantes margens do rio Zêzere e o sereno passeio das suas águas a caminho da foz.

A escravatura continua, afinal, nos dias de hoje, com histórias trágicas, no Sul e no Norte do planeta.

O tráfico de seres humanos é hoje, talvez mais do que outrora, uma realidade transversal ao mundo inteiro, levado a cabo por pessoas e em lugares mais insuspeitos.

A exploração convive perfeitamente ao nosso lado, sem nos apercebermos disso.

Segundo narra a Maria, no lugar do seu cativeiro e durante o longo tempo que nele permaneceu, jamais ninguém se apercebeu que ela estava ali...

Será isto possível? É. Mas como provar, a quem de direito, a situação de escravatura dentro das quatro paredes da casa?

Um estudo recente, conclui que foram detetadas dezenas de «pequenas redes» organizadas, cuja finalidade será facilitar a entrada e saída de pessoas no país.

É precisamente esta complexidade e, ao mesmo tempo, normalidade, que dificulta detectar e ajudar as Marias a saírem da sua reclusão e encetar uma senda nova, fazendo caminho com elas, apostando em escolhas certas e livres, integradas e integradoras.

 

Ir. Maria Júlia Bacelar, adoradora
Publicado em 01.10.2014

 

 
Imagem D.R.
Uma outra Maria (como tantas outras) voou para Portugal nas asas do sonho, entre nuvens escuras que ela acreditava se tornariam brancas como a neve ao aterrar no país à beira mar plantado. Mas não!
Para dar o salto da pobreza para a fantasiada riqueza de recursos e de oportunidades, Maria teve de submeter-se à força a um casamento de conveniência. Tudo legal e tudo ilícito; tudo promissor e tudo falso; tudo luxuoso e tudo sombrio no meio da pacatez rural, apenas suavizada com a contemplação das verdejantes margens do rio Zêzere e o sereno passeio das suas águas a caminho da foz
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos