Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

Leitura: "Jesus vulnerável"

Leitura: "Jesus vulnerável"

Imagem Capa | D.R.

«Uma meditação sobre a fragilidade que todos levamos no mais íntimo de nós mesmos. Fragilidade que Jesus assumiu plenamente, fazendo-se humano como nós.»

Esta é a proposta do novo livro "Jesus vulnerável", de Jean Vanier, que vive «há mais de cinquenta anos numa comunidade que acolhe pessoas com deficiências físicas e mentais, naturalmente frágeis e vulneráveis e, por isso, profundamente humanas». 

O volume publicado pela Editorial A.O. baseia-se nas meditações do autor durante um retiro durante a Semana Santa de 2010.

«A incarnação, o lava-pés, a paixão, a ressurreição de Jesus constituem referências fundamentais para entender a fragilidade, a vulnerabilidade d’Ele e nossa, acolhendo amorosamente os que caminham connosco, tão frágeis e vulneráveis como nós», assinala a sinopse.

Jean Vanier inicia a comunidade A Arca em 1964, quando «dificilmente» se consideravam as pessoas que dela faziam parte «como seres humanos»; «e, em todo o caso, eram tidas como incapazes, desprovidas de valor e, com frequência, representavam uma vergonha para os seus pais. Eram mantidas, com frequência, encerradas em grandes instituições ou nas suas famílias».



«Abriram o meu coração, amansaram-no e conduziram-me a viver o essencial do amor, que não está no "fazer por" mas no "viver com". Viver a comunhão e a presença ali onde Deus se encontra. Estas pessoas transformaram-me e deram-me uma nova visão que pode ajudar as nossas comunidades a tornarem-se mais humanas».



«Encorajado pelo meu diretor espiritual, o Padre Thomas Philippe, acolhi dois homens portadores de deficiência mental – Raphaël Simi e Philippe Seux – que acabavam de sair de uma instituição penosa, onde a violência causava estragos. Começámos a viver juntos numa pequena casa em Trosly-Breuil, uma aldeia situada a 100 km a norte de Paris. Foi assim que teve início a comunidade da Arca e eu descobri como estes homens e estas mulheres são maravilhosos. Com alguma incapacidade no plano intelectual, sem dúvida, mas tão belos na sua capacidade de relação e de amor», escreve o autor na introdução.

A «fragilidade» e «vulnerabilidade» daqueles novos companheiros, «origem do seu clamor pela relação, por uma relação de confiança», converteram a existência de Jean Vanier: «Abriram o meu coração, amansaram-no e conduziram-me a viver o essencial do amor, que não está no "fazer por" mas no "viver com". Viver a comunhão e a presença ali onde Deus se encontra. Estas pessoas transformaram-me e deram-me uma nova visão que pode ajudar as nossas comunidades a tornarem-se mais humanas».

Por seu lado, as Comunidades Fé e Luz (Communautés Foi et Lumière), fundadas em 1971 pelo autor e por Marie-Hélène Mathieu, na sequência de uma peregrinação por eles organizada a Lourdes,«permitiram, também elas, fazer as mesmas descobertas acerca do valor e da importância das pessoas portadoras de deficiência. «A partir desta peregrinação, nasceram pequenas comunidades de encontro entre as pessoas portadoras de deficiência, os seus pais e os seus amigos. Fé e Luz está hoje presente em oitenta países, por todo o mundo.»



«Ao contrário da “cultura de fazer melhor que os outros, de ganhar”, para a pessoa com deficiência o importante “é o encontro”, é estar feliz que o “outro exista, a alegria de seres»



«Estes homens e estas mulheres portadores de deficiência, tão vulneráveis e, por vezes, tão frágeis, ajudaram-me a descobrir e amar a vulnerabilidade e a fragilidade de Jesus. Jesus tão humilde, tão pequeno, tão frágil, tão respeitador da nossa liberdade e, por vezes, mesmo silencioso, convida-nos a uma autêntica transformação dos nossos corações. Na Arca e em Fé e Luz descobrimos como estas pessoas portadoras de deficiência, tão vulneráveis, nos conduzem a Deus», sublinha Vanier.

«Amo este Jesus vulnerável que me acolhe como eu sou, com as minhas vulnerabilidades, e desejo que muitas outras pessoas o possam conhecer na sua pobreza e na sua humildade, e aprendam a viver uma relação profunda com Ele», aponta o autor a terminar a introdução.

"Deus não faz nada!", "Nós queremos ver Jesus!", "Preparar-se para o lava-pés", "Entrar em comunhão com os excluídos", "A discrição dos encontros", "Comovente Maria de Magdala" e "E a nós, hoje?" são algumas das reflexões propostas pelo autor nos cinco capítulos do livro.

«Ao contrário da “cultura de fazer melhor que os outros, de ganhar”, para a pessoa com deficiência o importante “é o encontro”, é estar feliz que o “outro exista, a alegria de seres», declarou Vanier à Agência Ecclesia, por ocasião dos 40 anos do Movimento Fé e Luz em Portugal, assinalados em 2016.









 

SNPC
Publicado em 24.03.2017

 

Título: Jesus vulnerável
Autor: Jean Vanier
Editora: Editorial A.O.
Páginas: 136
Preço: 9,00 €
ISBN: 978-972-39-0832-9

 

 
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Mais Cultura
Vídeos