Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura - Logótipo
secretariado nacional da
pastoral da cultura

"Jesus VR - A vida de Cristo": «Primeira» longa-metragem totalmente em realidade virtual

Imagem "Jesus VR" | © Autumn VR

"Jesus VR - A vida de Cristo": «Primeira» longa-metragem totalmente em realidade virtual

Alguma vez sonhou sentar-se junto a Jesus durante a Última Ceia ou misturar-se entre a multidão enquanto Ele pronuncia o Discurso da Montanha? Ou mergulhar no rio Jordão junto a João Batista? Hoje, com a realidade virtual, é possível.

Voltar atrás no tempo para encontrar Jesus Cristo próximo era o que sonhava, desde criança, ao ler o Evangelho, o realizador e produtor canadiano David Hansen, que uniu o seu desejo de católico à tecnologia mais avançada.

Há ano e meio, enquanto trabalhava em alguns videojogos, pensou em rodar a primeira longa-metragem no mundo em realidade virtual, contando a vida de Jesus.

«O desafio era colocar em cena a maior das histórias nunca contada coma tecnologia cinematográfica mais inovadora», explica o produtor Alex Barder, que com o cineasta apresentou na quinta-feira, no festival de cinema de Veneza, em antestreia mundial, 40 minutos de "Jesus VR - The story of Christ" - o "VR" para "virtual reality", realidade virtual.

Gravado no último mês de novembro em 4K 360 graus, o trabalho envolveu uma equipa italiana, a começar por Enzo Sisti, produtor executivo de "A Paixão de Cristo" (2004), dirigido por Mel Gibson, filme de que também partilha o consultor religioso, o padre norte-americano William Fulco, e a localização, a cidade italiana de Matera.

A obra percorre em 90 minutos a vida de Jesus, do nascimento até à ascensão, passando pela sua pregação, parábolas e milagres, deixando falar as frases do Evangelho.

O espetador move a cabeça para cima e para baixo, ou vira-se para os lados através de poltronas giratórias, capacidades existentes apenas em salas adaptadas, os chamados "cinemas VR", ainda escassos no mundo.

O filme poderá igualmente ser visto, mediante pagamento, num "smartphone", aplicado a um visor (o "VR Head Gears"), quando estiver disponível na internet. Há um potencial comercial neste filme se aplicado como instrumento de divulgação para os jovens.

Devidamente equipados, eis-nos projetados para há dois mil anos, diante da gruta de Belém. Caminhamos juntamente com os pastores para o local indicado pelo cometa e, se voltarmos a cabeça para a esquerda, avistamos a gruta. Estamos junto de José, Maria e o Menino, quase podendo tocá-lo.

De grande sugestão é a Última Ceia, onde o espetador se encontra no centro de uma sala iluminada pelo fogo e, rodando sobre si mesmo, encontra-se rodeado pelos 12 apóstolos, graças a seis câmaras em 360 graus.

A crucificação, no fundo do penhasco de Matera, leva ao auge o envolvimento do espetador; à direita encontram-se os soldados, que jogam aos dados as vestes de Cristo; à esquerda a Virgem Maria ajoelhada. E, surpreendentemente, temos também a perspetiva dos olhos de Jesus sobre a cruz.

«Jesus torna-se mais humano e próximo de nós. Sobretudo hoje, que a sua mensagem de paz deve ser difundida a todos», declara o realizador.

Algumas críticas cinematográficas ao excerto de 40 minutos elogiam a tecnologia e as suas potencialidades mas criticam a realização, os atores, a caracterização, a qualidade da imagem e a clara influência do filme "A paixão de Cristo".

Prevê-se que o filme esteja disponível no próximo Natal nas principais plataformas de realidade virtual, como "Google Cardboard", "Samsung Gear", "Oculus Rift", "Playstation Vr" e "Htc Vive".

 

Fonte: Angela Calvini / "Avvenire"; com agências
Redação: Rui Jorge Martins
Publicado em 05.09.2016

 

 
Imagem "Jesus VR" | © Autumn VR
De grande sugestão é a Última Ceia, onde o espetador se encontra no centro de uma sala iluminada pelo fogo e, rodando sobre si mesmo, encontra-se rodeado pelos 12 apóstolos, graças a seis câmaras em 360 graus
Algumas críticas cinematográficas ao excerto de 40 minutos elogiam a tecnologia e as suas potencialidades mas criticam a realização, os atores, a caracterização, a qualidade da imagem e a clara influência do filme "A paixão de Cristo"
Relacionados
Destaque
Pastoral da Cultura
Vemos, ouvimos e lemos
Perspetivas
Papa Francisco
Teologia e beleza
Impressão digital
Pedras angulares
Paisagens
Umbrais
Evangelho
Vídeos